PUBLICIDADE

FDA autoriza doses de reforço da vacina contra Covid-19 da Pfizer e Moderna

19 nov 2021 12h49
ver comentários
Publicidade

A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) autorizou nesta sexta-feira doses de reforço contra a Covid-19 para todos os adultos vacinados com os imunizantes da Pfizer/BioNTech e Moderna.

A decisão da agência reguladora abre caminho para que milhões de norte-americanos consigam proteção adicional contra a doença e visa abordar a diminuição da eficácia entre os norte-americanos totalmente vacinados diante do avanço de casos da variante Delta da Covid-19.

A reguladora autorizou a dose de reforço da Pfizer/BioNTech ou Moderna para todos os adultos que receberam a segunda dose da vacina seis meses antes.

"Simplificar os critérios de elegibilidade e disponibilizar doses de reforço para todos os indivíduos de 18 anos ou mais também ajudará a eliminar a confusão sobre quem pode tomar a dose de reforço e garantir que os reforços estejam disponíveis para todos os que possam precisar", disse Peter Marks, diretor do Centro para Avaliação e Pesquisa Biológica da FDA, em um comunicado.

A revisão regulatória final segue para uma reunião do comitê de aconselhamento para o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC) programada para esta sexta-feira e, em seguida, uma recomendação do diretor da agência, que apoiou publicamente a dose de reforço para todos.

A FDA disse que a decisão foi apoiada em dados que mostraram que uma dose de reforço da vacina contra a Covid-19 aumentou a resposta imunológica em estudos com o imunizante da Moderna e da vacina Pfizer/BioNTech.

Quase 60% dos norte-americanos adultos --cerca de 195,6 milhões de pessoas-- são considerados totalmente vacinados, tendo tomado duas doses das vacinas da Pfizer/BioNTech ou Moderna, ou uma da vacina de dose única da J&J.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade