PUBLICIDADE

França: ato contra extrema direita reúne milhares de jovens

Manifestação contra a Frente Nacional aconteceu em Paris e contou com a participação de milhares de estudantes

29 mai 2014 14h35
ver comentários
Publicidade
<p>Grupo de jovens participou de uma manifesta&ccedil;&atilde;o contra o partido de estrema-direita franc&ecirc;s Frente Nacional, em Paris</p>
Grupo de jovens participou de uma manifestação contra o partido de estrema-direita francês Frente Nacional, em Paris
Foto: AFP

Com lemas como "Acorda França!", "A ameaça da FN permanece" e "Não à F-Ódio" milhares de jovens participaram de uma manifestação na França contra a Frente Nacional, depois da vitória histórica do partido de extrema direita de Marine Le Pen nas eleições europeias.

A maior passeata, em Paris, reuniu de 4.200 (de acordo com a polícia) a 8.000 (segundo os organizadores) estudantes, que gritavam as palavras de ordem tradicionais das manifestações contra a extrema direita, como "A juventude incomoda a Frente Nacional", "F de fascista, N de nazista" ou ainda "Primeira, segunda, terceira geração: somos todos filhos de imigrantes".

Centenas de jovens também participaram de manifestações em Lyon (centro), Toulouse (sudoeste), Estrasburgo (leste), Marselha (sul) e em outras cidades, convocados por sindicatos de estudantes, mas também por movimentos das juventudes socialista, comunista e ecologista.

A adesão a esses atos ficou bem abaixo das registradas nas manifestações gigantescas de abril de 2002, depois da chegada de Jean-Marie Le Pen, pai de Marine e fundador do partido, ao segundo turno da eleição presidencial. Mas o então presidente Jacques Chirac foi facilmente reeleito.

Naquela época, 1,3 milhão de pessoas saíram às ruas na França, incluindo cerca de 500.000 na capital.

A Frente Nacional obteve uma votação histórica domingo nas eleições europeias, com 25% dos votos. Cerca de 30% das pessoas com menos de 35 anos que foram às urnas votaram no partido de extrema direita, de acordo com as pesquisas.

A FN ganhou força com a crise econômica persistente na França, os altos índices de desemprego, a impopularidade recorde do presidente socialista François Hollande e a incapacidade da direita de se apresentar como uma alternativa.

Foto: AFP

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade
Publicidade