PUBLICIDADE

Estados Unidos

UE retira reclamação contra os EUA sobre espionagem financeira

27 nov 2013 - 11h04
Compartilhar
Exibir comentários

A Comissão Europeia retirou uma investigação sobre suspeita de abuso por parte dos Estados Unidos de uma base de dados financeira para bisbilhotar a União Europeia, rejeitando pedidos de parlamentares da UE pela suspensão do acesso norte-americano.

A medida é um revés para o Parlamento Europeu, que pediu no mês passado a suspensão da capacidade dos EUA de controlar os pagamentos internacionais devido a suspeitas de que Washington monitorava os processos muito de perto em busca de informações, abusando de um acordo que concede acesso limitado ao banco de dados Swift, na Bélgica.

A UE compartilha com o Tesouro dos EUA dados do Swift, que troca milhões de mensagens sobre operações em todo o mundo todos os dias, mas apenas de forma limitada, para ajudar a interceptar possíveis ameaças terroristas.

No mês passado, Guy Verhofstadt, um proeminente membro do Parlamento Europeu, disse à Reuters que a Europa precisava de "transparência total" por causa da espionagem da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) revelada pelo ex-prestador de serviço da NSA Edward Snowden.

Parlamentares da UE se preocupam que os Estados Unidos estejam secretamente retirando informações extras a partir do banco de dados, após denúncia feita pela TV Globo com base em documentos vazados por Snowden indicando que o governo dos EUA secretamente monitorou o Swift.

Mas Cecilia Malmström, comissária da UE para Assuntos Internos, disse na terça-feira que não tinha encontrado qualquer prova de irregularidade.

"A Comissão Europeia está, portanto, encerrando as consultas oficiais iniciadas com os EUA", disse ela em comunicado.

Os Estados Unidos negam qualquer irregularidade.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade