3 eventos ao vivo

Especialistas pedem nova investigação sobre origens da Covid-19,- com ou sem a China

8 abr 2021
12h27
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Um estudo conjunto da China e da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a Covid-19 não proporcionou respostas críveis sobre como a pandemia começou, e investigações mais rigorosas são necessárias, com ou sem o envolvimento de Pequim, disse um grupo de cientistas e pesquisadores internacionais na quarta-feira.

25/03/2020
REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa
25/03/2020 REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa
Foto: Reuters

Divulgado na semana passada, o estudo conjunto disse que a rota de transmissão mais provável do SARS-CoV-2, o vírus que causa a Covid-19, envolveu morcegos e outras formas de vida selvagem, e praticamente descartou a possibilidade de um vazamento de laboratório.

Em uma carta aberta, 24 cientistas e pesquisadores da Europa, Estados Unidos, Austrália e Japão disseram que o estudo foi maculado pela política.

"O ponto de partida foi 'vamos fazer tantas concessões quanto necessário para obter uma cooperação mínima da China'", disse

, pesquisador sênior do Conselho Atlântico, centro de estudos que liderou o processo de formulação da carta.

As conclusões do estudo se basearam em pesquisas chinesas não publicadas, e registros e amostras biológicas essenciais "continuam inacessíveis", disse a carta.

As alegações do diretor-geral da OMS, Tedros Adhanon Ghebreyesus, de que a China reteve dados foram rejeitadas por Liang Wannian, principal especialista chinês em Covid-19. Ele também pareceu descartar quaisquer investigações conjuntas adicionais com seu país.

Metzl disse que o mundo pode ter que "retornar para o plano B" e realizar investigações adicionais sem o envolvimento da China.

Veja também:

Como foi o casamento real de Elizabeth e Philip em 1947
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade