PUBLICIDADE

Covid-19: por que quase 250 milhões de vacinas podem ir para o lixo

Líderes globais estão fazendo grandes promessas de doar vacinas, mas por que eles ainda mantêm excedentes?

22 set 2021 18h22
ver comentários
Publicidade
Uma enfermeira administra uma vacina
Uma enfermeira administra uma vacina
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, vai liderar uma cúpula nesta quarta-feira (22/09), na qual pedirá aos líderes mundiais que se comprometam a vacinar contra covid 70% da população global até setembro do ano que vem.

Mas pesquisas mostram que os países ricos ainda mantêm excedentes de vacinas, muitas das quais podem acabar indo para o lixo em breve, enquanto alguns países ainda não vacinaram nem 2% de sua população.

Embarcando para o Irã há poucos meses, Bahar estava animada para ver seu pai pela primeira vez em quatro anos.

Ela não tinha ideia de que o coronavírus estava prestes a destruir o país — e sua família — em uma segunda onda mortal. A primeira a morrer foi uma amiga da família, que se preparava para o casamento do filho quando adoeceu.

Depois vieram o tio de seu pai e uma tia idosa. Bahar estava desesperadamente preocupada com sua avó, que só havia tomado uma dose da vacina e ainda esperava pela segunda.

Bahar tem 20 anos e mora nos EUA, onde foi vacinada em abril.

Embora soubesse que estava de alguma forma protegida, ela passou os últimos dias de sua viagem ao Irã enclausurada na casa do pai, preocupada com quem o vírus poderia atacar em seguida. Poucos membros de sua família foram vacinados, já que há poucos estoques de imunizantes no Irã.

Bahar tem apenas 20 anos, mas, morando nos EUA, foi totalmente vacinada muito antes de sua avó no Irã
Bahar tem apenas 20 anos, mas, morando nos EUA, foi totalmente vacinada muito antes de sua avó no Irã
Foto: Bahar / BBC News Brasil

Logo depois de retornar aos EUA, ela descobriu que seu pai estava doente. Ela estava longe e ficou apavorada. "É como a culpa de um sobrevivente", diz ela. "Deixei o Irã totalmente bem, completamente saudável só porque tomei duas injeções da vacina Pfizer." Seu pai acabou se recuperando, mas muitos parentes mais velhos não. "Eu me senti muito culpada sabendo disso."

Esse desequilíbrio no suprimento de vacinas gera estatísticas estarrecedoras. Pouco mais da metade do mundo ainda não recebeu uma dose da vacina contra covid-19.

De acordo com a Human Rights Watch, 75% das vacinas da covid foram para dez países. A consultoria Economist Intelligence Unit calculou que metade de todas as vacinas feitas até agora foram para 15% da população mundial, com os países mais ricos administrando 100 vezes mais vacinas que os mais pobres.

Em junho, membros do G7 — Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e EUA — se comprometeram a doar um bilhão de doses a países pobres no próximo ano.

"Eu sorri quando vi isso", disse Agathe Demarais, principal autora de um relatório recente sobre o fornecimento global de vacinas na Economist Intelligence Unit e ex-diplomata. "Eu costumava ver muito isso. Você sabe que nunca vai acontecer."

O Reino Unido prometeu 100 milhões de doses, mas até agora doou pouco menos de nove milhões. O presidente Biden prometeu 580 milhões, dos quais os EUA entregaram 140 milhões até agora. E o bloco da UE prometeu 250 milhões de doses até o final do ano - enviou cerca de 8% delas.

Grafico sobre doses entregues ate agora
Grafico sobre doses entregues ate agora
Foto: BBC News Brasil

Como muitos países de renda média, o Irã comprou vacinas da Covax, o esquema global apoiado pela OMS para distribuir doses onde elas são mais necessárias. A Covax compra e depois vende vacinas a baixo custo para países de renda média — e doa para países pobres.

Mas a Covax enfrentou um grande problema de abastecimento. O esquema planejava distribuir dois bilhões de doses em 2021, a maioria delas vindo de uma instalação na Índia, mas quando uma segunda onda de infecções afetou a Índia em maio, o governo local proibiu a exportação.

Desde então, a Covax conta com doses doadas por países ricos. E a oferta tem crescido lentamente. Alguns dos países receptores ainda não vacinaram 2% de sua população.

"Atualmente as doses tendem a ser compartilhadas em pequenos volumes, em curto prazo e com prazos de validade mais curtos do que o ideal — o que gera um grande desafio logístico alocá-las e entregá-las a países capazes de absorvê-las", diz Aurélia Nguyen, diretora-gerente do Instalação de Covax.

Não se trata de um problema de abastecimento global. Os países ricos têm acumulado excedentes de vacinas, de acordo com a Airfinity, uma empresa de análise científica que pesquisa o fornecimento global de vacinas. Os fabricantes de vacinas estão produzindo 1,5 bilhão de doses por mês. Até o final do ano, eles terão produzido 11 bilhões de doses.

"Eles estão produzindo um grande número de doses. Isso cresceu enormemente nos últimos três ou quatro meses", diz Matt Linley, pesquisador-chefe da Airfinity.

Os países mais ricos do mundo podem estar com 1,2 bilhão de doses de que não precisam — mesmo que comecem a administrar reforços.

Um quinto dessas doses — 241 milhões de vacinas — correm o risco de ir para o lixo se não forem doadas muito em breve. É provável que os países mais pobres não sejam capazes de receber essas vacinas, a menos que elas ainda estejam a pelo menos dois meses antes do prazo de validade.

Os países ricos podem chegar até o final do ano a ter 1,2 bilhão a mais de doses do que precisam
Os países ricos podem chegar até o final do ano a ter 1,2 bilhão a mais de doses do que precisam
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

"Não acho que necessariamente os países ricos sejam gananciosos. É mais porque eles não sabiam quais vacinas funcionariam", diz Linley. "Então, eles tiveram que comprar várias delas."

Com sua última pesquisa, a Airfinity espera mostrar aos governos que já existe uma boa oferta global de vacinas e que eles não precisam manter excedentes. Em vez disso, eles podem doar o que não precisam agora e ter a certeza de que mais doses serão produzidas nos próximos meses.

"Eles não querem ser pegos de surpresa", diz Agathe Demarais. "Também se trata de pressão política interna porque parte do eleitorado provavelmente não gostaria de ver vacinas sendo doadas, se houver a sensação de que elas ainda são necessárias domesticamente."

O governo do Reino Unido afirma não ter estoque de vacinas e fez um acordo com a Austrália para compartilhar quatro milhões de doses, que serão devolvidas da própria alocação da Austrália no final do ano.

"O fornecimento e as entregas de vacinas foram cuidadosamente administrados no Reino Unido para oferecer a todos aqueles que podem recebê-las a oportunidade de serem vacinados o mais rápido possível", disse um porta-voz do Departamento de Saúde e Assistência Social.

Aurélia Nguyen, da Covax, diz que não são só os governos que precisam agir. "Também precisamos que os fabricantes cumpram seus compromissos públicos com a Covax e nos priorizem em relação a acordos bilaterais com nações que já têm doses suficientes."

"Se os fabricantes globais de vacinas estão produzindo 1,5 bilhão de doses todos os meses, a pergunta que você deve fazer é: por que tão poucas doses chegam aos países pobres? Onde a Covax precisa de mais doses, os governos deveriam trocar de lugar na fila para que possamos obter as doses pedimos antes. "

Para Bahar e sua família, essas doses não são apenas números. São vidas reais, amigos e familiares. A cada dia, ela ouve novas histórias de alguém que morreu.

Quando amigos na universidade diziam que não queriam ser vacinados, ela tentava discutir com eles. Mas agora ela não consegue mais fazer isso. É muito perturbador.

"Eu apenas tento deixar passar, mas é realmente muito difícil ver as pessoas não usarem o privilégio que têm."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Publicidade
Publicidade