1 evento ao vivo

Cidade apagada: Imagens aéreas da Nasa mostram impacto da guerra sobre luzes de Aleppo

17 mai 2017
16h46
atualizado às 18h58
  • separator
  • comentários

Seis anos de guerra na Síria tiveram um efeito devastador para milhões de pessoas que vivem no país e para a infraestrutura local - inclusive a rede elétrica.

Cidade apagada: Imagens aéreas da Nasa mostram impacto da guerra sobre luzes de Aleppo

Imagens da Nasa, solicitadas pelo serviço árabe da BBC , mostram como as luzes de Aleppo, a segunda maior cidade da Síria, simplesmente foram desaparecendo ao longo do conflito, deixando as pessoas com pouquíssima ou nenhuma eletricidade para sobreviver.

Cada quadro do "timelapse" feito pela BBC mostra a média de luz emitida à noite a cada mês desde 2012, um ano depois do início da guerra.

As imagens evidenciam como diminuíram drasticamente as áreas onde os sírios podem ligar a luz à noite, contar com eletricidade para suas vidas diárias e conseguir acesso a equipamentos médicos essenciais.

Aleppo era uma das "iluminadas" no país, já que ali moravam mais de 2 milhões de pessoas.

Mas o centro industrial do país tornou-se um campo de batalha. Os ataques aéreos russos contra rebeldes sírios começaram em outubro de 2015, e o "timelapse" mostra a cidade em quase completa escuridão durante a noite em 2016, quando os confrontos em Aleppo chegaram ao auge.

Conforme as fontes de energia elétrica oficiais foram ruindo, as pessoas comuns precisaram ser criativas na busca de fontes alternativas de luz e energia. Fayrouz e Wallid, por exemplo, fizeram velas de óleo.

"Viver com pouca energia é muito difícil", disse Wallid. "Em casa, quebrávamos coisas para queimá-las como combustível. Nós só tomávamos banho a cada 10, 15 dias. Não podíamos colocar nada na geladeira, então comprávamos comida para comer logo em seguida. Vivíamos assim, dia a dia."

Foto: BBCBrasil.com

A estação de energia mais próxima de Aleppo ainda está bastante danificada depois de ter sido atingida por diferentes grupos envolvidos no conflito. Ela foi controlada pelo grupo rebelde Exército Livre da Síria em 2013, pelo grupo autodenominado Estado Islâmico em 2014 e foi retomada por forças do governo no fim de 2016.

Os hospitais e centros de emergência de Aleppo precisaram "sobreviver" às custas de geradores para salvar vidas. Muitas vezes, faltavam combustível e peças de reposição.

Apesar de a capital Damasco estar sob o domínio do governo, a eletricidade é raramente oferecida a todos que vivem lá - e muitas vezes é inexistente em áreas controladas pelos rebeldes.

A Síria chegou a ser um dos maiores fornecedores de energia elétrica do Mediterrâneo. O país tem 15 estações de energia, incluindo três hidrelétricas gigantes.

Cada uma alimentava a eletricidade em várias subestações, que distribuíam energia pela rede nacional.

O Ministério de Energia da Síria disse à BBC que o equivalente a US$ 5 bilhões de infraestrutura elétrica foi destruído ou danificado pela guerra.

A cidade de Ghouta, controlada pelos rebeldes e depois sitiada por forças do governo, foi atingida por um ataque químico em 2013 - alguns moradores passaram a ter de sobreviver sem eletricidade a partir da metade daquele ano.

Um ativista disse que "o sentimento de estar no escuro é muito perturbador, especialmente quando somos bombardeados e dá para ouvir mulheres e crianças chorando".

Foto: BBCBrasil.com

Como a eletricidade se tornou um elemento-chave no conflito?

A eletricidade, como outras commodities, tem sido usada como arma por todos os lados em conflito. Em toda a Síria, as pessoas sobrevivem com pouca ou nenhuma energia, e isso tem um efeito direto em outras coisas básicas, como suprimentos de água.

No ano passado, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse que civis da cidade de Aleppo estavam sofrendo muito por conta de cortes deliberados de água e eletricidade usados por cada uma das partes do conflito para exercer pressão sobre a outra.

O governo sírio diz que os danos causados aos sete principais campos de gás do país durante a guerra força-os a comprar e distribuir combustível a preços mais altos, levando a escassez e racionamento.

Ele diz ainda que o racionamento de energia depente de "circunstâncias de segurança".

E culpa os ataques dos militantes a gasodutos, usinas e torres de transmissão de energia elétrica pela necessidade de racionar suprimentos básicos.

Do outro lado, os rebeldes afirmam que é o governo que está bombardeando as estações elétricas e

que os cortes deliberados em áreas controladas pelos rebeldes são as razões para a falta de energia no país.

Imagens do vídeo cedidas pela Nasa

BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade