PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Mundo

Após Covid, OMS define doença propagada "pelo ar"

18 abr 2024 - 09h13
Compartilhar
Exibir comentários

A Organização Mundial da Saúde e cerca de 500 especialistas concordaram pela primeira vez com o que significa uma doença se espalhar pelo ar, em uma tentativa de evitar a confusão no início da pandemia da Covid-19 que, segundo alguns cientistas, custou vidas.

A agência de saúde da ONU, sediada em Genebra, divulgou um documento técnico sobre o tema na quinta-feira. Disse que foi o primeiro passo para desenvolver como evitar melhor esse tipo de transmissão, tanto para doenças existentes como o sarampo quanto para futuras ameaças de pandemia.

O documento conclui que o descritor "pelo ar" pode ser usado para doenças infecciosas em que o principal tipo de transmissão envolve o patógeno que viaja pelo ar ou fica suspenso no ar, em linha com outros termos, como doenças "transmitidas pela água", que são compreendidas por todas as disciplinas e pelo público.

Quase 500 especialistas contribuíram para a definição, incluindo físicos, profissionais de saúde pública e engenheiros, muitos dos quais discordaram amargamente sobre o assunto no passado.

Historicamente, as agências têm exigido altos níveis de comprovação antes de classificar as doenças como transmitidas pelo ar, o que exigia medidas de contenção muito rigorosas; a nova definição diz que o risco de exposição e a gravidade da doença também devem ser considerados.

As discordâncias anteriores também se concentravam se as partículas infecciosas eram "gotículas" ou "aerossóis" com base no tamanho, o que a nova definição afasta.

Durante os primeiros dias da Covid em 2020, cerca de 200 cientistas de aerossóis reclamaram publicamente que a OMS não havia alertado as pessoas sobre o risco de o vírus se espalhar pelo ar. Isso levou a uma ênfase exagerada em medidas como lavar as mãos para deter o vírus, em vez de se concentrar na ventilação, disseram eles.

Em julho de 2020, a agência disse que havia "evidências emergentes" de propagação pelo ar, mas sua então cientista-chefe Soumya Swaminathan - que iniciou o processo para obter uma definição - disse mais tarde que a OMS deveria ter sido mais enérgica "muito antes".

Seu sucessor, Jeremy Farrar, afirmou em uma entrevista que a nova definição era mais do que a Covid, mas acrescentou que, no início da pandemia, havia uma falta de evidências disponíveis e os especialistas, incluindo a OMS, agiram de "boa fé". Naquela época, ele era diretor da instituição beneficente Wellcome Trust e assessorou o governo britânico sobre a pandemia.

Farrar disse que a definição acordada entre os especialistas de todas as disciplinas permitiria o início de discussões sobre questões como a ventilação em muitos ambientes diferentes, de hospitais a escolas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade