PUBLICIDADE

Após ataque russo, Otan informa que 'reforçará' defesa

Belarus disse que já há aumento de forças na fronteira; a Otan fará uma reunião virtual de emergência entre os líderes do grupo nesta 6ª

24 fev 2022 - 08h25
(atualizado às 09h21)
Ver comentários
Publicidade
Otan vai reforçar defesa em países do leste europeu
Otan vai reforçar defesa em países do leste europeu
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O conselho da Organização do Tratado Atlântico Norte (Otan) afirmou que a Aliança vai "reforçar sua defesa" após o ataque da Rússia contra a Ucrânia nesta quinta-feira, 24.

"As ações da Rússia impõem uma séria ameaça à segurança euro-atlântica e terão consequências geoestratégicas. Decidimos tomar novos passos para reforçar a defesa da Aliança. As nossas medidas continuarão como preventivas e proporcionais", diz a nota. Na reunião, foi concordado que haverá aumento de forças por terra, por água e pelo ar.

A crise ucraniana se intensificou desde que Kiev cogitou se aliar à Otan, o que causou fúria no governo de Vladimir Putin.

O governo de Belarus, grande aliado de Moscou, afirmou que já monitora um aumento das forças nas fronteiras de seu país e que o Estado-Maior das Forças Armadas determinou o fechamento de parte do espaço aéreo local.

"Ao longo do perímetro da nossa fronteira com a Polônia e dos Estados bálticos, o potencial militar da Otan está aumentando rapidamente", disse o próprio presidente Aleksandr Lukashenko em entrevista a um canal de notícias.

Segundo relatos ucranianos, parte das tropas que está atacando o país estão saindo do território de Belarus, que está sediando um treinamento militar conjunto com Moscou há mais de um mês.

Mapa do ataque da Rússia contra a Ucrânia
Mapa do ataque da Rússia contra a Ucrânia
Foto: Mapcreator/OSM / Reuters

Reunião de líderes

Após o apelo do premiê do Reino Unido, Boris Johnson, e do presidente da França, Emmanuel Macron, a Otan confirmou que haverá uma reunião virtual de emergência entre os líderes do grupo nesta sexta-feira, 25.

Para Johnson, o ataque russo é uma "catástrofe para o continente europeu".

   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade