8 eventos ao vivo

Alta no nº de casos de Covid eleva pressão por medidas na Itália

Governo debaterá novas regras para evitar avanço da doença

16 out 2020
20h02
atualizado às 20h17
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

As novas infecções pelo coronavírus Sars-CoV-2 na Itália ultrapassaram a marca inédita de mais de 10 mil no período de 24 horas nesta sexta-feira (16) e aumentaram a pressão contra o governo italiano para decretar mais medidas restritivas para conter o avanço da segunda onda da doença.

Governo debaterá novas regras para evitar avanço da doença
Governo debaterá novas regras para evitar avanço da doença
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, descarta impor um segundo lockdown nacional, apesar do crescimento nos números da pandemia nos últimos dias. No entanto, diversas regiões têm agido de forma unilateral e anunciado novas regras de prevenção.

A Lombardia, epicentro da Covid-19 no país, alterou o horário de funcionamento de bares e restaurantes, suspendeu competições esportivas amadoras que tenham contato físico e proibiu o consumo de bebidas e alimentos em locais públicos.

Já a Campânia, terceira região mais populosa da Itália, anunciou um toque de recolher para o último fim de semana de outubro, quando se celebra o Halloween, além de determinar o fechamos das escolas da região, o que provocou a ira da ministra da Educação, Lucia Azzolina.

O Piemonte decidiu fechar todas as atividades comerciais no período entre meia-noite a 5h, enquanto que o governo nacional ainda debaterá a possibilidade de decretar novas regras.

Ontem (15), o Instituto Superior da Saúde (ISS), órgão submetido ao governo italiano, alertou que a pandemia está em uma fase aguda, e o vírus já está circulando novamente em todo o território, o que é preciso ter cautela. Segundo o relatório semanal, 18 regiões estão com o índice de transmissão (Rt) superior a 1.

"Dada a gravíssima situação de circulação do vírus, indicamos encerramentos direcionados em regiões com circulação Sars-Cov2 muito elevada, visando permitir a realização de atividades escolares e produtivas. Os encerramentos, em áreas onde o índice de contágio é superior a 1 , terá que se referir a pontos de encontro como clubes, academias e estabelecimentos comerciais não essenciais", explicou Walter Ricciardi, representante italiano na Organização Mundial da Saúde (OMS).

Tendo em vista o avanço da doença no país, o presidente da Federação Nacional das Ordens dos Médicos da Itália (Fnomceo), Filippo Anelli, também fez um apelo ao governo para que introduza medidas mais restritivas e aos cidadãos para que sigam as regras com sentido de responsabilidade.

"Uma vez ultrapassado o limite de 10 mil infecções são necessárias medidas mais restritivas. Apelamos ao sentido de responsabilidade dos cidadãos", afirmou Anelli, acrescentando que o "que preocupa acima de tudo é a lotação da UTI, que já sofre em algumas regiões" "É por isso que devemos ter cautela para não infectar os sujeitos mais frágeis e com maior risco de complicações", enfatizou o presidente da Fnomceo.

Em entrevista à ANSA, o físico Enzo Marinari, da Universidade Sapienza de Roma, por sua vez, explicou que "neste momento a curva de contágio está crescendo rapidamente e apontando decididamente para cima, mas não se sabe onde está, pois dependerá das medidas de segurança adotadas".

A pressão por novas medidas será tema de uma reunião convocada pelos ministros da Saúde, Roberto Speranza, e de Assuntos Regionais, Francesco Boccia, para este sábado (17). O endurecimento das restrições, porém, é tema de divisão no país.

O Partido Democrático (PD) está preocupado com o aumento de infecções e pediu para o governo italiano avaliar novas medidas nacionais de contenção da infecção, revelaram fontes da legenda.

Enquanto isso, o ex-ministro do Interior da Itália Matteo Salvini, do partido de extrema direita Liga Norte, disse esperar que "ninguém pense em fechar tudo, porque seria um desastre econômico, cultural e social". Ele pediu cautela e atenção para o governo na hora de decidir e ressaltou que "quem disser que talvez haja um lockdown no Natal, comete um crime contra o povo italiano".

"Os italianos esperam do governo clareza e certeza, não suposições e ideias. Talvez ou veremos, não é permitido", finalizou Salvini.

Medidas debatidas -

A expectativa é de que o governo italiano anuncie novas medidas restritivas no país nos próximos dias, como consequência do crescimento nos números diários de casos e mortes.

Entre as hipóteses que devem ser discutidas neste sábado (17) estariam obrigatoriamente o smart working (um percentual a definir), a paralisação dos eventos e uma nova regra para atividades esportivas, incluindo ginásios e esportes de contato, bem como a introdução de ensino à distância nas escolas, intercalando com aulas presenciais.

Além disso, alguns ministros defendem uma espécie de toque de recolher, com todos os estabelecimentos fechados a partir das 22h ou 23h (horário local).

Conte, por sua vez, mantém a ideia de que as medidas devem ser "proporcionais": "Esta onda não é menos perigosa mas devemos enfrentá-la com uma estratégia diferente, que não inclui mais o lockdown", reitera.

O premiê italiano fez um apelo por uma estratégia comum com a União Europeia (UE) para evitar a "destruição para todos" e anunciou entre 200 ou 300 milhões de doses de vacinas "muito em breve".

Veja também:

Segunda onda de covid-19 na Europa
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade