PUBLICIDADE

Médica que xingou paciente que procurou UPA pede desculpas: 'Amo minha profissão'

Mariana de Lima Alves usou sua conta no Twitter para se desculpar por postagem em que xingava paciente que procurou pronto-socorro

25 mai 2022 17h11
| atualizado às 17h17
ver comentários
Publicidade
Médica xinga paciente nas redes sociais e é afastada de suas funções
Médica xinga paciente nas redes sociais e é afastada de suas funções
Foto: Reprodução | RecordTV

A médica Mariana de Lima Alves, que foi afastada de suas funções após usar as redes sociais para xingar um paciente que buscou atendimento na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Almirante Tamandaré, no Paraná, se desculpou nesta quarta-feira, 25, pelas mensagens postadas.

No post em que ofendia o paciente, publicado em sua conta no Twitter, a profissional reclamou da presença dele na unidade. "Tem que ser muito FILHA DE UMA P*** pra vir 1 da manhã no pronto socorro por conta de infecção urinária viu. Não tem outra expressão pra descrever (sic)", escreveu a profissional de saúde em sua rede social no último sábado, 21.

Médica foi afastada após postagem xingando paciente
Médica foi afastada após postagem xingando paciente
Foto: Reprodução/Twitter/@mahagess

Após a postagem viralizar, usuários da rede encontraram e compartilharam outras publicações de Mariana com xingamentos a pacientes. Diante da exposição, a médica havia bloqueado sua conta no Twitter. Porém, nesta quarta, ela se posicionou por meio de seu perfil, depois de apagar todos os seus tuítes antigos.

"Venho aqui me desculpar pelas mensagens sobre os meus plantões realizados no pronto socorro médico. Escrevi em desabafo em momento de estresse e cansaço. Peço desculpas, principalmente porque amo minha profissão e meu contato diário com os pacientes. Atendo a todos que comparecem no pronto socorro com o máximo cuidado, dedicação e respeito, sempre buscando o melhor tratamento para os sintomas apresentados", publicou.

 

Mariana também afirmou que reconhece ter errado, especialmente pela forma como escreveu as mensagens, mas alegou que a forma de indignação foi pensando no bem estar geral dos pacientes.

"Entendo que todos mereçam ótimo tratamento e foi assim que sempre agi. Porém, sempre me preocupei que pessoas com sintomas que deveriam ser tratados em UBS e serviços ambulatoriais pudessem causar filas que gerassem risco ao atendimento de pessoas em situações de urgência/emergência", acrescentou.

Por fim, a médica escreveu que se preocupava, por exemplo, que gestantes pudessem ser melhor atendidas em uma maternidade, com todo o suporte, do que em um pronto-socorro. E alegou que sua preocupação sempre foi o melhor atendimento de todos. 

"E reconheço que errei ao me manifestar da forma como fiz. Garanto que minhas manifestações, por outro lado, nada influenciaram na forma como eu atendi meus pacientes, o que fiz sempre com cuidado e cumprindo minha vocação para a medicina. Isso pode ser testemunhado também por meus colegas de trabalho, a quem agradeço pelo apoio", tuitou. 

Prefeitura

Em nota enviada ao Terra, a prefeitura de Almirante Tamandaré lamenta o ocorrido e informa que a médica é contratada de uma empresa terceirizada e trabalha em esquema de plantão às terças na UPA. Um trecho da nota diz ainda que “se comprovada conduta irresponsável, que fere os princípios éticos do exercício da profissão, a mesma será desligada da equipe de plantonistas".

Nota da Prefeitura de Almirante Tamandaré (PR)
Nota da Prefeitura de Almirante Tamandaré (PR)
Foto: Reprodução

O Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR) caracterizou os comentários da profissional como desrespeitoso e decidiu abrir uma sindicância para investigar a conduta da médica. "O trâmite ocorre sob sigilo, em respeito ao direito de ampla defesa e contraditório. O Conselho reafirma agir com zelo na preservação dos valores hipocráticos."

 

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade