0

Mamãe Falei, um palavroso youtuber no figurino de deputado

O deputado estadual Arthur Moledo do Val (DEM) se notabiliza pelas ofensas e defende a "liberdade de expressão irrestrita"

6 out 2019
05h11
atualizado às 10h02
  • separator
  • 0
  • comentários

Cuidado, leitor, que o deputado estadual Arthur Moledo do Val, do Democratas, mais conhecido como Arthur Mamãe Falei, vai abrir a boca. Ele tem 33 anos, é solteiro, e foi o segundo mais votado na eleição do ano passado, com 478.280 votos. Teve as contas da campanha definitivamente desaprovadas, por irregulares, pelo Tribunal Superior Eleitoral. E mantém a língua mais irresponsavelmente ferina entre os jovens políticos da nova safra. Qual deles diria, por exemplo, tirem as crianças da sala, que "ministro do STF é um bando de filho da puta comedor de lagosta?". Pois o deputado não só o disse - está em seu canal do YouTube, o "Mamãe Falei", com 2,58 milhões de inscritos, 831 vídeos e 308 milhões de visualizações -, como o repetiu, tal e qual, para o gravador do Estado, durante entrevista em seu gabinete na tarde da última quarta-feira.

O vídeo do Youtube - "O golpe do STF" - foi postado no último dia 29, quando o Supremo Tribunal Federal discutia sobre réus delatores e não delatores em caso relacionado à Operação Lava Jato. Divergente da decisão majoritária, "Mamãe Falei" acrescentou, ao palavrão maior, que os ministros "botam aquela bosta daquela capinha e acham que estão acima da sociedade". Até a última sexta-feira, o vídeo registrava 320 mil visualizações, com 61 mil curtidas (polegar para cima) e 864 reprovações (para baixo).

- Isso não é incitamento ao ódio, além de leviano e irresponsável?

O deputado ouve as perguntas, impassível, e discorda: "De forma alguma. Sou a favor da liberdade de expressão irrestrita. Não é o fato de talvez um dia ter que depor no STF que vai segurar as minhas palavras. Não tenho medo de tomar processo. É um risco que eu corro, e faço isso há muito tempo".

O deputado estadual Arthur do Val (DEM-SP)
O deputado estadual Arthur do Val (DEM-SP)
Foto: Carol Jacob / Alesp

No nono mês de mandato, e gostando do novo figurino que o obriga ao terno e gravata, o palavroso youtuber se diz o mais austero dos 94 deputados que compõem a Assembleia Legislativa. Não usa o carro oficial a que tem direito, por exemplo, e só tem seis funcionários dos 32 que poderia contratar.

Fez um barulhão, a seu estilo poeira no ventilador, quando, durante a recente discussão de um projeto, chamou todos os colegas de "vagabundos", em plenário, por duas vezes. Levado à Comissão de Ética, acabou por se desculpar. Está aguardando uma decisão - que espera seja, no máximo, uma advertência. "Eu realmente me excedi", reconheceu, durante a entrevista.

Excedeu e parece que aprendeu alguma coisa sobre o trato civilizado na Casa, como mostrou, na mesma quarta-feira, em reunião da Comissão de Constituição e Justiça. Cabalou votos, de ouvido em ouvido, para um projeto que apresentou, tornando obrigatória a contratação de seguro- garantia de execução de contratos de obras públicas. Ganhou por 10 a 1.

Seu objetivo na Assembléia, explica, é "transmitir os ideais da ideologia liberal econômica e valorizar os profissionais da segurança pública. Em dois outros projetos de lei propõe a isenção de IPVA e ICMS em veículos novos que atuam no transporte privado (Uber, por exemplo), e a extinção do auxílio-hospedagem para os deputados, outra mordomia que também não usa. Um dos dez votos na quarta-feira foi da deputada Janaína Pascoal, do PSL, com seus mais de dois milhões de votos.

O gabinete 3016, no terceiro andar, tem uma bela vista para o Parque do Ibirapuera. Para chegar lá, quem quer que seja, é só ir entrando. Não há qualquer segurança, ninguém pede documento de identificação, nada. "É uma insegurança total, absurda", diz o deputado. Como tem sempre uma resposta de ocasião, para o que seja, sugere um motivo: "É para evitar o controle sobre funcionários fantasmas".

Ali pelo começo de 2015 Arthur Moledo do Val era não muito mais do que um desconhecido, sequer ilustre. Mais velho de três irmãos, teve uma boa vida com o pai empresário do ramo da sucata ("começou como engraxate") e a mãe dona de casa. Estudou até o último ano de Engenharia Química, diz, mas não se formou. Já trabalhava com o pai, a sério, e começou a empreender. Primeiro com um estacionamento de 700 vagas em Guarulhos, o Aeropark, onde se deu bem, e, de lá para cá, investindo em posto de gasolina, empresa de construção civil, outra de sucata, e uma transportadora. Seu patrimônio declarado na campanha eleitoral passava um pouco de R$ 500 mil. Não sabe dizer de cara quanto cresceu de lá para cá - mas arrisca que talvez tenha chegado a "uns R$ 600 mil".

O "Mamãe Falei" nasceu durante uma madrugada insone em maio de 2015, quando criou o canal no YouTube, "para questionar e reclamar de tudo" e "sair de uma inércia de pensamento". Alinhava-se, então, à direita, com ideias do Movimento Brasil Livre e que tais. "Fiquei um ano no quase anonimato, pensando todo dia em fechar o canal", contou. Em março de 16, indignado com uma manifestação a favor da indicação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ministro da Casa Civil no segundo governo Dilma Rousseff, o empresário teve um "estalo": entrar na manifestação com uma câmera na mão, e interpelar os presentes sobre a razão de estarem ali. "Sou muito audacioso e gosto de correr riscos", explicou. Demorou um fim de semana para editar e postar o vídeo - o primeiro dos 832 que lá estão. "Foi um sucesso instantâneo, com dois milhões de views em 24 horas", afirmou. De lá para cá, à média de dez minutos por vídeo, o "Mamãe Falei" tem coisa de 138 horas de gravações.

"Já levei tapa, empurrão, cuspida, soco na boca, paulada na costa, processos diversos, mas nada vai me fazer parar", diz o deputado. Quem der uma olhada, vai vê-lo em manifestações de esquerda, como um provocador profissional. Ataca verbalmente uns, desrespeita outros, questiona todos, tudo com um sangue frio de chamar a atenção. Há cenas vergonhosas - pelas quais já foi ou está sendo processado. Entre elas, ficou tristemente famosa uma em que invadiu um departamento da Faculdade de Medicina da USP, fantasiado de vagina, para zoar um seminário sério sobre masturbação feminina. "A exposição ao ridículo também faz parte do questionamento", diz. "Não me arrependo de nada - e faria tudo de novo. Se por causa disso eu tiver que perder todo o meu patrimônio, e até as cuecas, eu vou fazer".

Já perdeu, por exemplo, para o deputado federal Marcelo Freixo e para as estudantes da USP. O ex-deputado Jean Wyllis também o processa, entre outros. Nas contas que ele mesmo faz, passa de R$ 1 milhão a soma de indenizações a pagar se vier a perder todos os processos.

Os vídeos têm poeira pra todos os olhos, na média de duas postagens semana. Nos últimos, além dos ataques ao STF, tem comentários sobre o filme Bacurau, que o agradou; sobre o instinto confessadamente assassino e suicida do ex-procurador geral Rodrigo Janot; sobre o Queiroz e o senador Flávio Bolsonaro; sobre os ataques ao deputado petista José Guimarães, num voo de avião. E por aí vai.

Arthur do Val é amante dos esportes radicais: jiu-jítsu (faixa marrom) e motocross, entre outros. Faz duas horas de malhação por dia. Tem 1,70 m de altura e 70 quilos, "de pura gostosura", como acrescentou, fazendo blague. Considera-se cinéfilo e declara-se um "liberal clássico". Sabe que o livro capital de Adam Smith, um dos pais do liberalismo, é A Riqueza das Nações. Já o leu? "Só um resumo", diz. "Não sou de leitura, prefiro me informar por outros meios", explica. Mas tem noção do que está dizendo ao perorar sobre Smith e John Locke, outro liberal radical.

Na entrevista ao Estado ele definiu Bolsonaro como "um péssimo presidente", Eduardo Bolsonaro como "um monte de bosta", Bruno Covas como "o pior prefeito que São Paulo já teve". Acrescentou, ao falar sobre o Democratas: "Acho que o Rodrigo Maia é corrupto, e que o Davi (Alcolumbre, presidente do Senado) não faz uma gestão republicana". Não tem provas de nada disso - "mas é o que eu acho, e tenho o direito de dizer".

Seu defeito - ele tem um - é ser "extremamente estressado e ansioso", principalmente com a ineficiência de serviços como o bancário e o telefônico. "Se for no banco, a minha vontade é explodir a agência", exemplificou. Cuidado aí.

Já teve crise de ansiedade, há não muito tempo. Mas não vai a médicos, e é "contra" remédios. Tem namorada, mas nenhuma simpatia pelo casamento ou pela paternidade. Disse que não bebe, não fuma e não usa droga. Tem problemas para dormir - a média é de quatro horas por dia -, e não é propriamente de comida nas horas regulares, mas de ficar beliscando de meia em meia hora, normalmente frutas.

Mamãe Falei disse que quer ser candidato a prefeito de São Paulo, mesmo que tenha que sair do DEM. Sobre os possíveis candidatos do PSL - a deputada federal Joice Hasselman e o deputado estadual Gil Diniz - disse que ambos "não têm competência técnica para gerir uma cidade como São Paulo". E que ele não só "tem", como é "muito bom" nisso. Haja vídeo daqui até lá.

Veja também

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade