PUBLICIDADE

Justiça britânica decide que chamar homem de 'careca' é assédio sexual; entenda

Vítima denunciou uma ofensa dita pelo chefe em julho de 2019 e os magistrados tiveram que avaliar se o insulto se tratou mesmo de assédio

13 mai 2022 22h50
| atualizado às 23h02
ver comentários
Publicidade
Justiça britânica decide que homem chamado de careca foi vítima de assédio sexual
Justiça britânica decide que homem chamado de careca foi vítima de assédio sexual
Foto: Revista Planeta / Revista Planeta

A Justiça Trabalhista de Londres, Inglaterra, decidiu que um britânico chamado de "babaca careca" por seu superior foi assediado sexualmente. De acordo com O Globo, os juízes entenderam a declaração sobre a calvície do funcionário equivalente a um comentário sobre o tamanho dos seios de uma mulher. A decisão é da última quarta-feira, 11. 

A vítima, o eletricista Tony Finn, teria trabalhado na empresa British Bung Company, localizada em West Yorkshire, por mais de 20 anos. Mas o profissional foi demitido em maio de 2021 e denunciou à Justiça que sofreu assédio sexual depois de discutir com o supervisor da fábrica, Jamie King.

A vítima denunciou uma ofensa dita pelo chefe em julho de 2019 e os magistrados tiveram que avaliar se o insulto se tratou mesmo de assédio sexual.

Os juízes afirmaram que o superior se referiu de maneira pejorativa e indesejada a Finn e se excedeu com o comentário sobre a aparência do funcionário. 

A defesa da empresa afirmou que o caso não se tratava de assédio sexual. Mas, os magistrados se opuseram a alegação, ao defenderem a tese de que a calvície é muito mais prevalente em homens do que em mulheres e, portanto, a ofensa foi "inerentemente relacionada ao sexo da vítima".

O tribunal ainda relembrou de uma decisão de 1995 sobre comentários da aparência de uma mulher. No caso, a Justiça decidiu que a vítima foi sexualmente discriminada por um gerente que fez comentários sobre o tamanho dos seios dela.

De acordo com O Globo, além do assédio sexual, a sentença determina que a vítima receba compensações trabalhistas por demissão injusta e abusiva. 

 

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade