2 eventos ao vivo

Entenda o que levou a 'balbúrdia' às ruas de todo o País

Ministro Abraham Weintraub havia dito, em entrevista ao 'Estado', que cortaria verbas de universidades federais que promovessem 'bagunça' ou 'evento ridículo'

15 mai 2019
19h01
atualizado às 19h19
  • separator
  • 0
  • comentários

As ruas do País foram tomadas nesta quarta-feira, 15, por estudantes e manifestantes contrários ao bloqueio de recursos no orçamento da educação (acompanhe os protestos pelo Brasil aqui). Diversas faixas usavam a palavra "balbúrdia" para protestar contra o governo. "Balbúrdia é cortar o dinheiro da educação", dizia faixa em São Paulo. "Balbúrdia é teu governo", dizia cartaz no protesto em Salvador. Em Vitória, estudantes promoveram a "Mostra Balbúrdia Universitária".

Os manifestantes faziam referência à entrevista dada pelo ministro Abraham Weintraub ao Estado, no qual ele anunciou que universidades federais que promovessem "bagunça" ou "evento ridículo" teriam até 30% de seus recursos bloqueados.

Protesto de estudantes e professores contra os cortes na educação feitos pelo governo federal no Largo do Rosário no centro de Campinas, interior de São Paulo, nesta quarta-feira, 15 de maio de 2019
Protesto de estudantes e professores contra os cortes na educação feitos pelo governo federal no Largo do Rosário no centro de Campinas, interior de São Paulo, nesta quarta-feira, 15 de maio de 2019
Foto: LUCIANO CLAUDINO / Estadão Conteúdo

"Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas", disse Weintraub em entrevista exclusiva publicada na edição do Estado do dia 30 de abril.

De acordo com Weintraub, a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA) já haviam sido alvo de cortes e outras poderiam sofrer com o bloqueio se adotassem o mesmo comportamento. Na ocasião, ele deu exemplos do que considerava "bagunça": "Sem-terra dentro do câmpus, gente pelada dentro do câmpus".

No dia seguinte à publicação da entrevista, diante da repercussão negativa das declarações do ministro, o MEC recuou da decisão de penalizar somente algumas universidades que promovessem "bagunça" e afirmou que o mesmo contingenciamento planejado seria estendido a todas as universidades federais do País. O bloqueio, de acordo com o ministério, seria preventivo e necessário diante do contingenciamento de recursos estabelecido pelo governo e que atingiu toda a Esplanada.

A decisão de bloquear 30% das verbas discricionárias de todas as universidades aumentou a contrariedade de reitores e estudantes, insatisfeitos com a postura do governo. O presidente Jair Bolsonaro havia dito pelo Twitter dias antes do anúncio de corte de verbas "por balbúrdia" que o governo iria "descentralizar" recursos para áreas de humanas, como filosofia e sociologia, em universidades. Segundo ele, a ideia partira de Weintraub e o objetivo era "focar em áreas que gerem retorno imediato ao contribuinte", como Veterinária, Engenharia e Medicina.

"Idiotas úteis"

Enquanto a mobilização dos estudantes tomava as ruas do Brasil, com passeatas em diversas capitais, o presidente Bolsonaro comentava o dia de manifestações de Dallas, no Texas, onde desembarcou para receber uma homenagem de empresários e promover encontros. Ele chamou os manifestantes de "idiotas úteis" e "massa de manobra" e afirmou que a maioria dos que saíram às ruas é "militante".

"Se você perguntar a fórmula da água, não sabe, não sabe nada. São uns idiotas úteis que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo das universidades federais", afirmou Bolsonaro.

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade