PUBLICIDADE

RS: presidente da Assembleia Legislativa é indiciado pela PF

10 out 2014 - 10h20
(atualizado às 10h25)
Compartilhar
Exibir comentários
<p>Deputado estadual Gilmar Sossella (à esquerda)</p>
Deputado estadual Gilmar Sossella (à esquerda)
Foto: Divulgação

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul e deputado reeleito, Gilmar Sossella (PDT), foi indiciado pela Polícia Federal por formação de quadrilha e concussão, crimes previstos no Código Penal, e coação, crime tipificado no Código Eleitoral. Além dele, outras sete pessoas também foram indiciadas, incluindo seis servidores da Assembleia.

Segundo as denúncias, o gabinete da presidência supostamente pressionava servidores para que destinassem parte de seus salários à campanha do deputado. Elas apontam ainda que haveria estagiários obrigados a atuarem como cabos eleitorais para Sossella.

O caso começou a ser investigado pela PF no último mês de agosto, em plena campanha eleitoral, a partir de denúncias de servidores da Assembleia. O deputado e os outros indiciados, além de servidores e estagiários, prestaram depoimentos e as investigações avançaram.

O caso ganhou repercussão a partir da realização de um jantar para arrecadação de fundos para a campanha do deputado, no dia 3 de setembro, cujos convites estavam sendo vendidos a R$ 2,5 mil. Conforme as denúncias, servidores com funções gratificadas teriam sido coagidos à compra sob a ameaça de sofrerem rebaixamento em suas funções.

O inquérito na PF foi concluído na quinta-feira e remetido ao Ministério Público Eleitoral e ao Tribunal Regional Eleitoral.

Nesta sexta, Sossella negou todas as acusações e disse que "o assunto é velho". O deputado, que cumpre agenda pelo interior do Estado, afirmou que vai provar sua inocência e assegurou que não fez nada diferente de outros parlamentares.

Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade