0

Após entrevistas de Bolsonaro, campanhas reclamam no TSE

Marina Silva (Rede), Fernando Haddad (PT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) pediram para serem entrevistados

1 out 2018
13h20
atualizado às 13h45
  • separator
  • comentários

Na última semana antes do primeiro turno, as campanhas da Rede, do PT, do PSDB e do PSOL entraram com representações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a TV Band e a rádio Jovem Pan por conta das entrevistas de Jair Bolsonaro (PSL) na semana passada.

Os adversários alegam tratamento privilegiado ao deputado federal e pedem que também sejam entrevistados nas emissoras, por igual tempo, ainda nesta semana. As representações foram individuais, mas todas protocoladas no final de semana.

Os pedidos de Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) foram analisados pelo ministro Sérgio Banhos. Ele negou a liminar alegando liberdade de expressão e princípio do contraditório, mas recebeu a representação e pediu que as emissoras apresentarem suas defesas. Os demais pedidos ainda não foram analisados pelo tribunal.

Na última segunda-feira e sexta-feira, 24 e 28 de setembro, o presidenciável concedeu entrevistas à JovemPan e à Band, respectivamente, de 26 minutos e 46 minutos. Nelas, o candidato disse que não "aceitaria" qualquer resultado que não fosse sua eleição.

Jair Bolsonaro durante entrevista à Band
Jair Bolsonaro durante entrevista à Band
Foto: Reprodução/Band / Estadão Conteúdo

Essas foram as primeiras exclusivas concedidas à imprensa pelo deputado federal, desde que recebeu a facada, no hospital Albert Einstein, de onde recebeu alta no último sábado, 30.

As campanhas alegam que o princípio de tratamento igual aos candidatos foi ferido, com base na lei eleitoral nº. 9.504/97, que prevê "encerrado o prazo para a realização das convenções no ano das eleições, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e em seu noticiário, (...) dar tratamento privilegiado a candidato, partido ou coligação".

"Observa-se que, em razão da extensa entrevista realizada com o candidato Jair Messias Bolsonaro, somente com a determinação para que as Representadas disponibilizem igual espaço para realização de entrevista com a candidata à Presidência da República da coligação Representante é capaz de novamente restabelecer a isonomia", diz o texto da campanha de Marina Silva.

O documento do PT compara ainda o tempo de exposição da entrevista com os programas eleitorais de Fernando Haddad (PT). "Seriam necessários quase 30 programas em bloco, ou 5 semanas, para conseguir se apresentar ao público pelo mesmo período".

As representações do PSDB e do PSOL entraram apenas contra a entrevista concedida à Band. O documento da campanha de Guilherme Boulos (PSOL) questiona ainda o tom supostamente elogioso do entrevistador José Luiz Datena ao presidenciável do PSL. "A entrevista, ademais do alto grau de difusão de opinião elogiosa do entrevistador e de não escondida propagada eleitoral pelo candidato, aconteceu sem que o candidato representante tivesse sido convidado a dar entrevista em tempo proporcional".

As emissoras foram procuradas para comentar as representações, mas não se manifestaram até a publicação desta reportagem.

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade