PUBLICIDADE

Educação Empreendedora muda realidade de alunos de baixa renda

Projeto realizado pelo Sebrae em Montes Claros (MG) possibilitou o desenvolvimento de competências e habilidades

12 ago 2023 - 06h40
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução

Em 2023, o Programa Nacional de Educação Empreendedora (PNEE) do Sebrae completa 10 anos de transformação social na vida de alunos e professores de escolas e universidades que estão implementando conteúdos sobre empreendedorismo em sala de aula. 

Um desses educadores alcançados pela iniciativa é Sande Almeida, professora de Língua Portuguesa em Montes Claros (MG). Enviada à escola estadual Américo Martins, na periferia da cidade, ela chegou à conclusão de que apenas o ensino convencional não ajudaria a instituição a superar os inúmeros problemas enfrentados pela comunidade local, a começar pela falta de perspectivas de vida e de objetivos por parte dos alunos.

Foto: Reprodução

“Eles não apresentavam interesse pela escola e os professores não conseguiam dar aulas”, lembra a educadora. 

Foi então que a professora procurou o auxílio do Sebrae para aprender técnicas que ajudassem os alunos a desenvolver habilidades e competências empreendedoras.

“De 2016 pra cá, já percebemos uma mudança nos alunos em relação a ter um novo olhar e ver no empreendedorismo e na educação uma porta de saída”, comenta a professora, que ganhou o Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora de Minas Gerais. “A minha forma de ver o ensino mudou muito. Com essa ideia nova de empreendedorismo, dá para fazer algo diferente.”

Foto: Reprodução

“Desde quando iniciamos o projeto, a escola tem uma nova cara, tem mais vida. A começar pelos professores que propõem mais projetos e aceitam mais desafios. Além disso, os alunos têm acesso a mais oportunidades, puderam melhorar seus currículos e passaram a ter um comportamento de mais protagonismo”, relata Sande.

Atualmente, a escola desenvolve o projeto Ler, Ouvir e Ser na Comunidade, que tem por objetivo fortalecer a leitura e estimular o empreendedorismo.

Foto: Reprodução

Talyta Baleeiro Silva, de 16 anos, foi aluna de Sande e participou do novo projeto. Ela conta que não fazia ideia do que era empreender, além de não acreditar muito em seu potencial. Com as aulas, que são sempre bem movimentadas – com visita a feiras, teatros, cursos fora do ambiente escolar –, a visão da estudante foi se transformando a ponto de começar a empreender. 

“Eu abri um pequeno negócio de geladinho gourmet, comecei vendendo na escola e agora quero ampliar e divulgar nas redes sociais”, explica. “Foi uma experiência muito boa. Minha vida mudou totalmente. A partir do momento em que eu tive o conhecimento sobre empreender, não quis mais parar”, diz ela.

Fonte: Agência Sebrae

Homework Homework
Compartilhar
Publicidade
Publicidade