PUBLICIDADE

Queiroga faz apelo na OMS por doações de vacinas ao Brasil

Maior parte das doses compradas chega no segundo semestre

30 abr 2021
10h56 atualizado às 11h09
0comentários
10h56 atualizado às 11h09
Publicidade

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pediu nesta sexta-feira (30) que países com doses excedentes de vacinas anti-Covid as doem para o Brasil "o quanto antes".

Vacinação contra Covid no Rio de Janeiro
Vacinação contra Covid no Rio de Janeiro
Foto: EPA / Ansa - Brasil

No cargo desde 23 de março, Queiroga participou pela primeira vez de uma coletiva de imprensa com o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, indo de encontro às recorrentes tentativas do presidente Jair Bolsonaro de desacreditar a entidade.

"Reiteramos nosso apelo àqueles que possuem doses extras de vacina para que possam compartilhá-las com o Brasil o quanto antes possível, de modo a nos permitir lograr avançar em nossa ampla campanha de vacinação e de modo a conter a fase crítica da pandemia e evitar a proliferação de novas linhagens e variantes do vírus", disse o ministro.

O Brasil pleiteia as doses da AstraZeneca que não serão utilizadas pelos Estados Unidos, onde o imunizante ainda não está autorizado.

O governo federal já assegurou a compra de 562,9 milhões de doses de vacinas anti-Covid até o fim do ano, número mais do que suficiente para imunizar toda a população nacional. No entanto, 62,6% estão previstas para chegar apenas no segundo semestre, e 43,5%, somente de setembro em diante - e se não houver novos atrasos devido à falta de insumos.

Até o momento, o Brasil vacinou completamente pouco mais de 7% de sua população, e diversas cidades tiveram de paralisar suas campanhas devido à falta de imunizantes para a segunda dose. "É possível garantir que até o final do ano de 2021 teremos nossa população inteiramente vacinada", ressaltou Queiroga.

Enquanto isso, o país ultrapassou a barreira de 400 mil mortes desde o início da pandemia, chegando a 401.622 óbitos na última quinta-feira (29). A média móvel de vítimas em sete dias é superior a 2 mil desde 17 de março.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade