0

Para barrar projeto da Câmara, governo propõe socorro de R$ 127,3 bi a Estados e municípios

Medida foi anunciada um dia após a Casa ter aprovado projeto de ajuda de R$ 89,6 bilhões para compensar impacto do novo coronavírus

14 abr 2020
15h52
atualizado às 15h55
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

BRASÍLIA - A área econômica do governo federal anunciou nesta terça-feira, 14, proposta de ajuda aos Estados e municípios no valor total de R$ 127,3 bilhões, envolvendo transferências diretas, recomposição de perdas de arrecadação, suspensão no pagamento de dívidas com a União, com a Caixa Econômica Federal e com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

De acordo com o governo, esse valor contempla iniciativas já divulgadas anteriormente
De acordo com o governo, esse valor contempla iniciativas já divulgadas anteriormente
Foto: José Cruz/ Agência Brasil / Estadão

De acordo com o governo, esse valor contempla iniciativas já divulgadas anteriormente, em março, no valor de R$ 49,9 bilhões, e novas medidas - que somam R$ 77,4 bilhões.

A medida foi anunciada um dia após a Câmara dos Deputados ter aprovado um projeto que recompõe durante seis meses (entre maio e outubro), ao custo de R$ 89,6 bilhões, as perdas de arrecadação dos estados e municípios relacionadas com a pandemia do novo coronavírus e suspensão de dívidas com Caixa e BNDES. O texto ainda precisa ser aprovado pelo Senado Federal para ter validade.

As novas medidas anunciadas nesta terça-feira (77.4 bilhões) são as seguintes:

  • R$ 40 bilhões em transferências diretas, sendo R$ 19 bilhões para os estados e R$ 21 bilhões para os municípios
  • Suspensão de dívidas com a União de R$ 20,6 bilhões dos estados e de R$ 2 bilhões dos municípios
  • Suspensão de dívidas com a Caixa Econômica Federal e com o BNDES neste ano de R$ 10,6 bilhões dos estados e de R$ 4,2 bilhões dos municípios

As medidas anunciadas anteriormente (R$ 49, 9 bilhões) foram:

  • Transferências de R$ 4 bilhões para os estados e de R$ 4 bilhões para os municípios para a área de saúde
  • Suplementação aos municípios de R$ 2 bilhões ao Serviço Único de Assistência Social
  • Recomposição de FPE, aos estados, de R$ 7,7 bilhões, e de FPM, aos municípios, de R$ 8,3 bilhões.
  • Atraso no pagamento do PIS/Pasep e FGTS de R$ 1,6 bilhão para os estados e de R$ 2,3 bilhões para os municípios
  • Renegociação de dívidas com garantia da União de R$ 15 bilhões para os estados e de R$ 5 bilhões para os municípios

Projeto aprovado pela Câmara

No projeto aprovado nesta segunda-feira, 13, pela Câmara dos Deputados, está explicitado que os valores repassados pela União deverão ser aplicados pelos Estados e municípios exclusivamente em ações para o combate à pandemia de coronavírus.

Para receber, Estados e municípios terão que comprovar a queda da arrecadação do Ministério da Economia, referentes aos meses de abril a setembro de 2020, em até 15 dias após o encerramento de cada mês.

Se não comprovarem a tempo, nos meses de abril, maio e junho, receberão uma antecipação do auxílio de 10% da arrecadação dos impostos referentes aos meses de 2019.

Em relação ao ICMS, recolhido pelos estados, 75% serão destinados aos estados e 25% serão repassados aos municípios, sendo que a divisão será feita com base na participação de cada município na receita do ICMS do estado nos mesmos meses de 2019.

Se esse porcentual for maior do que o ente federativo deve receber, isso será deduzido no mês seguinte ou, após o fim do seguro, compensado nas distribuições do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

O texto também prevê a suspensão das dívidas de estados e municípios com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Caixa Econômica Federal entre março e dezembro de 2020.

Serão anulados os atos que concedam ou ampliem incentivos ou benefícios tributários, bem como isenção, suspensão, alteração no prazo de recolhimento que reduza a arrecadação de ICMS e de ISS.

As dívidas de estados e municípios com bancos públicos estão suspensas entre março e dezembro de 2020. O BNDES e a Caixa podem criar termos aditivos para refinanciar as operações de crédito até o fim deste ano.

Divisão de recursos pela população

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, afirmou que o governo defende que 80% do suporte financeiro dado a Estados e municípios, durante o período de crise, seja calculado por pessoa.

"Queremos que 80% usados por suporte a municípios e Estados sejam desenhados por critério per capita, ou seja, que cidadãos de fato recebam", afirmou o secretário. Segundo ele, a União tem que buscar o equilíbrio fiscal, assim como os Estados e municípios.

"Nossa proposta para entes tem como diretriz maior efetividade", afirmou. "O ministro da Economia, Paulo Guedes, acredita na descentralização, no poder de uma relação forte com Estados e municípios. Ano passado, isso já foi feito na cessão onerosa (megaleilão de petróleo). Em 31 de dezembro, a União transferiu R$ 11,7 bilhões para Estados e municípios, exatamente por acreditar na Federação", acrescentou, em referência aos recursos ligados à cessão onerosa. De acordo com Waldery, aquilo que era "pensado estruturalmente, agora é pensado de forma conjuntural".

Veja também:

Coronavírus: A imagem de Bolsonaro na imprensa internacional
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade