0

Número de novos casos avança no interior e supera Grande SP

Pela primeira vez, número de novos casos do novo coronavírus no interior superou os da Grande São Paulo

22 jun 2020
14h05
atualizado às 14h28
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

SÃO PAULO - O Estado de São Paulo chegou nesta segunda-feira, dia 22, à marca de 12.634 mortes e 221.973 casos de covid-19, segundo os dados da gestão João Doria (PSDB). Também de acordo com o governo, a pandemia está avançando no interior que, pela primeira vez, superou a Grande São Paulo em números de novos casos.

Comércio fechado na região central de Sorocaba, interior de SP
Comércio fechado na região central de Sorocaba, interior de SP
Foto: CADU ROLIM/FOTOARENA / Estadão Conteúdo

"O interior passou a capital em número de novos casos neste fim de semana, com 14,5% a mais de casos", afirmou o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi. "Isso registra uma inversão na logica de que a capital era o epicentro da crise, nesse primeiro momento significa uma atenção maior nos gestores desses municípios."

De acordo com o governo de São Paulo, o Estado também registra 5.680 pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e outros 8.249 nas enfermarias, com casos confirmados ou suspeitos de coronavírus. A taxa de ocupação é de 65%, considerando todo o Estado, e de 68,5% na Grade São Paulo.

O governador João Doria afirmou que irá acionar o Ministério Público e a Justiça caso alguma prefeitura não respeite as medidas estabelecidas no Plano São Paulo, o programa de reabertura gradual da economia lançado pelo governo. "Em nome da vida e da saúde, recorreremos a todas as medidas de ordem judicial para proteger vidas", afirmou.

Segundo Doria, o Estado de São Paulo também vai aumentar os certificados de testagem para empresas privadas para a covid-19. "Estamos fazendo isso há quatro semanas e, agora, ampliando ainda mais", disse o governador. "O correto monitoramento do avanço da doença auxilia na tomada de decisões contra a propagação do vírus."

No início da entrevista, o governador prestou solidariedade após o País atingir a marca de 50 mil mortos por coronavírus. "É uma dor profunda para todos nós e principalmente para aqueles que atuam na ponta da saúde: médicos, enfermeiros, paramédicos."

O governador cobrou, ainda, o uso de máscaras em locais públicos e associou as pessoas que desrespeitam a ordem ao "bolsonarismo". "Mesmo que você seja seguidor do bolsonarismo, de Bolsonaro, de ideologia, proteja sua vida. Não vale a pena entregar sua vida à ideologia, ficar infectado, correr risco de vida para fazer valer uma ideologia", disse. "Se você não respeita a condição da própria vida, deveria pensar na vida dos seus familias, de pais, irmãos, avós... Não faz sentido não usar máscara: as máscaras protegem."

Veja também:

Bolsonaro viraliza com uso e defesa polêmica da hidroxicloroquina
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade