0

Mandetta sofreu pressão por decreto para hidroxicloroquina

Ministro da Saúde afirmou que recusou por falta de embasamento científico

6 abr 2020
23h49
atualizado em 7/4/2020 às 08h03
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Após se reunir com o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que foi pressionado por dois médicos a editar um protocolo hidroxicloroquina para tratamento do novo coronavírus no Brasil por meio de decreto. Mandetta disse que recusou por falta de embasamento científico e recomendou que os profissionais procurassem o secretário de Ciência e Tecnologia da pasta, Denizar Vianna.

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva em Brasília 
25/03/2020
REUTERS/Adriano Machado
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante entrevista coletiva em Brasília 25/03/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

"Me levaram, depois da reunião lá, para uma sala com dois médicos que queriam fazer protocolo de hidroxicloroquina por decreto. Eu disse a eles que é super bem-vindo, os estudos são ótimos. É um anestesiologista e uma imunologista que lá estavam", afirmou Mandetta, sem citar nomes.

De acordo com o ministro, ele também propôs um debate com sociedades brasileiras de imunologia e anestesia. "Chegando a um consenso entre seu pares, o Conselho Federal de Medicina e nós aqui do Ministério da Saúde, a gente entra. A gente tem feito isso constantemente", declarou.

O uso hidroxicloroquina, remédio contra malária e doenças autoimunes, tem sido alvo de divergências entre Mandetta e Bolsonaro - na noite de segunda-feira, o ministro confirmou que fica no cargo, mas pediu paz para trabalhar. Enquanto o chefe da Saúde é mais cauteloso e defende estudos que comprovem a eficácia do fármaco no tratamento da covid-19, Bolsonaro tem reforçado que o uso do medicamento é eficaz. A cloroquina tem sido usada para casos graves e críticos do novo coronavírus no Brasil. Do contrário, pode ter consequências graves para a saúde.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informa que toda prescrição de medicamento à base de cloroquina ou hidroxicloroquina precisa ser feita em receita especial de duas vias. A entrega ou venda do medicamento nas farmácias e drogarias só poderá ser feita para pessoas com a receita especial, para que uma via fique retida na farmácia e outra com o paciente.

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade