0

Do forró à distribuição de sopas: exemplo de solidariedade

Grupo da zona norte do Rio se organizou para ações humanitárias após encontros para cantar e dançar

22 mai 2020
15h57
atualizado às 19h03
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

No princípio, tudo era música, dança, alegria. Com esse espírito festivo, um grupo de mais de 50 apaixonados pelo forró se reunia regularmente em alguns pontos do Rio para encontros que acabavam estreitando os laços entre eles. A convivência e a afinidade levaram esses forrozeiros, cada vez mais unidos, a dar um passo adiante – distribuiriam um prato de sopa aos que viviam abandonados pelas ruas da cidade.

Assim, o ‘Forrozim Solidário’ se projetou a partir de 2015 como uma turma amiga dos que acordam sem saber se vão dispor de alguma refeição até o pôr do sol. A entrega da sopa era quinzenal e valia bastante pelo simbolismo das reuniões com os moradores em situação de rua. Tão importante quanto o alimento era o abraço, o acolhimento, o aperto de mão.

Grupo que começou a se reunir pelo forró passou a dar acolhimento a moradores em situação de rua no Rio
Grupo que começou a se reunir pelo forró passou a dar acolhimento a moradores em situação de rua no Rio
Foto: Divulgação

Os hábitos mudaram com a chegada da covid-19 e o distanciamento preventivo se impõe como regra. Mas, ainda em razão da própria pandemia, o 'Forrozim Solidário' conseguiu incrementar seu trabalho social, com a distribuição de quentinhas (pode ser sopa ou macarronada ou arroz com carne moída, etc) agora uma vez por semana. Os voluntários atuam em três frentes: nos bairros do Recreio, na zona oeste, e no Méier e Tijuca, na zona norte.

“Todos nós nos sentimos muito gratos pela oportunidade de ajudar. É como se Deus nos capacitasse como instrumentos para executar essas ações”, diz Meily Meirelles, a Mel, professora e diretora de escola municipal no Rio e administradora do grupo. Várias vezes, ela desfruta da companhia de sua mãe, Roseny Soares Monteiro, de 90 anos, nas operações de entrega.

Mel conta com o suporte de uma equipe dedicada para a arrecadação do dinheiro que vai servir às compras e à logística envolvida nessas iniciativas. O 'Forrozim Solidário' já está doando 150 refeições semanais e, quando é possível, fornece ainda biscoitos, salgados e bolos para o lanche.

“O objetivo central do nosso gesto é levar até eles uma palavra de esperança, um carinho. Tirá-los da invisibilidade”, explica.

O 'Forrozim Solidário' ajuda ainda abrigos de idosos e orfanatos com doações pontuais. O grupo tem listas de famílias com necessidade de cestas básicas e trabalha concomitantemente para tentar minimizar o sofrimento dessas pessoas.

Uma vez por ano, também organiza um evento com uma finalidade específica – em 2019, por exemplo, a arrecadação com a tarde-noite especial de um show de forró foi destinada na íntegra a duas casas de apoio à criança com câncer, no Rio. Quem quiser colaborar com essas ações pode entrar em contato, via whatsapp, com Mel (21 99676-7711).

 

 

 

Veja também:

Coronavírus: A imagem de Bolsonaro na imprensa internacional
Fonte: Silvio Alves Barsetti
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade