PUBLICIDADE

Covid-19: OMS diz vai oferecer o apoio que o Brasil precisar

Organização Mundial da Saúde alertou ainda que risco de medidas mais restritivas é real caso não haja transição cautelosa do confinamento

6 mai 2020 14h09
| atualizado às 14h32
ver comentários
Publicidade

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou nesta quarta-feira, 6, que a entidade está trabalhando com o governo brasileiro e que "vai dar qualquer apoio que o País precisar" na luta contra a pandemia do novo coronavírus. O Brasil já registrou 6.921 mortes e tem 114.715 pessoas infectadas.

Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus
28/02/2020
REUTERS/Denis Balibouse
Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus 28/02/2020 REUTERS/Denis Balibouse
Foto: Reuters

"Estamos trabalhando com o governo brasileiro e vamos continuar trabalhando para dar qualquer apoio que precisarem", disse Tedros. Em seguida, o diretor do programa de emergências da OMS, Michael Ryan, complementou dizendo que o braço da entidade nas Américas, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), tem um escritório regional no Brasil.

Questionado sobre a situação de Manaus, no Amazonas, Ryan respondeu no passado a OMS já trabalhou com governos subnacionais. "Estamos dispostos a fornecer apoio técnico a qualquer Estado (do Brasil) se os governos solicitarem".

A OMS voltou a alertar os países que consideram amenizar as restrições de circulação de pessoas e listou seis critérios necessários para fazê-lo de maneira segura. Primeiro, que haja vigilância forte, que os casos de infecção e de mortes estejam em declínio e que a transmissão local tenha sido controlada. Depois, que o sistema de saúde seja capaz de detectar, isolar, testar, tratar os casos e identificar pessoas que entraram em contato com pessoas infectadas.

Também ressaltou a importância de minimizar a possibilidade de surtos em ambientes como unidades de saúde e asilos, e a a necessidade de implementação de medidas preventivas em escolas e locais de trabalho. Por fim, recomendou o gerenciamento dos riscos de "importar" casos e que as comunidades estejam totalmente engajadas e conscientes dos riscos.

"O risco de retornar ao bloqueio permanece muito real se os países não gerenciarem a transição com muito cuidado e com uma abordagem de fases", disse Tedros. Ele lembrou que embora o número de casos relatados na Europa Ocidental esteja diminuindo, mais infecções estão sendo registradas todos os dias na Europa Oriental, na África, no Sudeste Asiático e na região das Américas. A média de novos casos diários é de 80 mil, totalizando mais de 3,5 milhões de infectados e mais de 250 mil mortes.

Veja também:

'Não é gripezinha': o que dizem os curados do coronavírus:
Estadão
Publicidade
Publicidade