3 eventos ao vivo

Brasil doa R$ 8,5 mi para financiar vacinas em países pobres

A doação, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, foi publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial da União

18 nov 2020
14h16
atualizado às 14h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O governo brasileiro autorizou nesta quarta-feira a doação de R$ 8,5 milhões  (cerca de 1,6 milhão de dólares) para a Aliança Global para Vacinas e Imunização (Gavi), mecanismo de financiamento para garantir o acesso a vacinas para Covid-19 para 92 países de renda média e baixa.

30/10/2020
REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa
30/10/2020 REUTERS/Dado Ruvic/Foto ilustrativa
Foto: Reuters

A doação, aprovada pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, foi publicada nesta quarta-feira no Diário Oficial da União.

Os recursos estavam previstos inicialmente como doação para a Agência Internacional de Compra de Medicamentos para Países em Desenvolvimento (Unitaid) e foi remanejado para a Gavi.

Criada em 2000 para melhorar o acesso de crianças a vacinas em geral, a Gavi, que tem financiamento parcial da Fundação Bill & Melinda Gates, associou-se à iniciativa Covax Facilities, da Organização Mundial de Saúde (OMS), que prevê a compra centralizada de vacinas contra a Covid-19 e distribuição para os países que se associaram.

A intenção é garantir que, no momento em que vacinas hoje em teste sejam autorizadas, países mais pobres possam também ter acesso mais rápido aos medicamentos.

De acordo com dados mais recentes divulgados pela Aliança, foram arrecadados até agora 2 bilhões de dólares para financiar a iniciativa, sendo necessários ainda outros 5 bilhões de dólares.

Veja também:

Nova alta de infecções faz hospitais privados abrirem mais leitos covid e reduzirem cirurgias
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade