0

Bolsonaro volta a criticar quem fez isolamento: "Frouxos"

Presidente agradeceu produtores rurais por não terem parado suas atividades durante a pandemia

18 nov 2020
14h51
atualizado às 14h56
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Depois de dizer que o Brasil precisa deixar de ser um País de "maricas" e enfrentar o novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro parabenizou, nesta quarta-feira, 18, produtores rurais por não terem sido "frouxos" durante a pandemia. Em evento de entrega de títulos rurais em Goiás, ele voltou a agradecer o homem do campo por não ter parado suas atividades durante a crise sanitária causada pela covid-19.

Bolsonaro volta a criticar quem fez isolamento: "Frouxos"
Bolsonaro volta a criticar quem fez isolamento: "Frouxos"
Foto: Frederico Brasil / Futura Press

"Graças a vocês (agricultores) que não pararam, nós da cidade continuamos sobrevivendo. Se o 'fica em casa, a economia a gente vê depois' fosse aplicado no campo teríamos desabastecimento, fome, miséria e problemas sociais", disse. "Parabéns a vocês que não se mostraram frouxos na hora da angústia, como diz a passagem bíblica."

Bolsonaro mencionou trecho da Bíblia que diz "se te mostrares frouxo no dia da angústia, sua força será pequena" (Provérbios 24, 10). A passagem já havia sido citada por ele em suas redes sociais, quando compartilhou fala traduzida do presidente russo, Vladimir Putin, em que elogia a atuação de Bolsonaro durante a pandemia.

O Brasil registra mais de 166 mil mortes por covid-19 e já se fala em uma segunda onda de contágio. Mas o presidente disse, na semana passada, que essa possibilidade era "conversinha" e que se ocorresse era preciso "enfrentar".

Nesta quarta, Bolsonaro foi chamado de "libertador dos assentados" por um produtor rural que recebeu o título de propriedade. "Bolsonaro não é princesa Isabel, mas é o libertador de todos os assentados", disse o agricultor.

Depois do fracasso de seus apoiados nas eleições municipais, um Bolsonaro de postura impaciente e abatida tem sido regra, à exceção desta quarta, em que os elogios ao seu governo inflaram o ânimo do presidente. Boa parte dos cumprimentos partiu do governador Ronaldo Caiado (DEM), que destacou ser a décima vez que Bolsonaro visita o Estado. No início da pandemia, Caiado chegou a romper com o presidente, mas ambos reataram ao longo do ano.

"É a décima vez que estou aqui. Fisicamente, porque no pensamento e no coração, estou 24 horas por dia em Goiás, ao lado do Caiado", comentou Bolsonaro. Sobre o desentendimento no início do ano, Caiado disse a jornalistas no fim do evento que o corrido "faz tanto tempo" e indicou que foi algo isolado relacionada às medidas de isolamento social.

Na plateia, panfletos com "Bolsonaro 2022 Aliança pelo Brasil" foram vistos. No microfone, um produtor rural disse que o presidente contará com apoio dos assentados para sua reeleição. "Se o senhor tinha 90% de chance (de vencer), agora juntando o pessoal do assentamento o senhor tem 100%", disse.

O presidente, contudo, tem colocado em dúvida sua candidatura, apesar de suas ações indicarem interesse em outro mandato. Na segunda-feira, 16, Bolsonaro disse a apoiadores que, se continuar sendo bem recebido nas cidades em que visita pelo País, concorrerá.

No evento desta quarta, ele comeu pastel e tomou caldo de cana em uma feira próxima, algo que, segundo ele, não pode fazer normalmente.

O governo entregou mais de 3,3 mil título de propriedade rural em Flores de Goiás, além de um ponte de internet do projeto Wifi na Praça, do Ministério das Comunicações. Segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, 1.480 títulos são definitivos e 1.825 são títulos de concessões temporárias.

Veja também:

AstraZeneca afirma que sua vacina é 90% efetiva
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade