0

Bolsonaro provoca aglomeração no Guarujá no fim de semana

Presidente saiu às ruas para cumprimentar apoiadores durante o fim de semana; município já teve 392 mortes por coronavírus

11 out 2020
16h10
atualizado às 16h17
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro saiu à praia e às ruas do Guarujá, no litoral paulista, e provocou aglomerações de apoiadores neste domingo, 11, e também no sábado, 10. De folga durante o feriado prolongado, ele andou de moto e jet ski e saudou grupos de banhistas na praia.

Na manhã deste domingo, dezenas de pessoas sem máscara se aglomeraram para tirar fotos ao lado do presidente. Ele estava acompanhado da filha Laura, de 9 anos, com quem havia feito um passeio de jet ski minutos antes, navegando entre embarcações e cumprimentando turistas. Cercadas pelo grupo de apoiadores que registravam a cena, algumas pessoas tinham dificuldade ao tentar sair da aglomeração.

No sábado, o presidente andou de moto pelas ruas do balneário também parou para fazer fotos e vídeos. Enquanto sua equipe gravava um vídeo da cena, uma das pessoas ironizou a cena: "cuidado com o covid".

"Eu não mandei ninguém ficar em casa", disse Bolsonaro em seguida, ao que apoiadores responderam com gritos de apoio. No vídeo, é possível ouvir outro dizer que o coronavírus é algo "da esquerda".

O município do Guarujá teve 392 mortes pela covid-19, segundo o último boletim divulgado pela Prefeitura. Há 29 pessoas internadas com a doença e, dessas, 11 em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). O local entrou na "fase verde" de reabertura - quando é permitido o funcionamento de bares e restaurantes por mais tempo, além de cinemas e outras atividades culturais - apenas neste sábado, 10. Em 24h, entre quinta e sexta, foram confirmados 30 novos casos da doença na cidade.

O presidente Jair Bolsonaro é cercado por banhistas neste domingo, 11, no Guarujá
O presidente Jair Bolsonaro é cercado por banhistas neste domingo, 11, no Guarujá
Foto: Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro / Estadão Conteúdo

Veja também:

Coronavírus, 1 ano depois: de 'pneumonia desconhecida' a quase 2 milhões de mortos
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade