PUBLICIDADE

Bolsonaro diz que não vai tomar vacina: "Não tem cabimento"

Presidente segue contrariando os estudos e fazendo campanha contra a imunização da covid-19

13 out 2021 11h23
| atualizado às 11h35
ver comentários
Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro quebrou uma promessa feita diversas vezes nos últimos meses e afirmou agora que não vai mais se vacinar contra covid-19 ao dizer que isso não teria "cabimento".

Bolsonaro segue na contramão do mundo
Bolsonaro segue na contramão do mundo
Foto: Wallace Martins / Futura Press

"No tocante à vacina, eu decidi não tomar mais a vacina, estou vendo novos estudos, a minha imunização está lá em cima... para que vou tomar vacina? Seria a mesma coisa de você jogar na loteria 10 reais para ganhar dois. Não tem cabimento isso daí", disse ele, em entrevista à rádio Jovem Pan.

Aos 66 anos, Bolsonaro já poderia ter sido vacinado há meses. Entretanto, em vários momentos em declarações públicas e entrevistas, o presidente disse que seria o último brasileiro a se vacinar no país.

Antes disso, em outros momentos, o presidente chegou a questionar a eficácia das vacinas.

Em agosto do ano passado, Bolsonaro teve um teste positivo para covid e na ocasião ficou isolado no Palácio da Alvorada. Ele nunca incentivou a adoção de medidas de proteção sanitária, como o uso de máscaras e o isolamento social.

Recentemente, o presidente viajou para Washington a fim de participar da abertura da Assembleia-Geral da ONU e enfrentou uma série de dificuldades de restrição de transitar pela capital norte-americana por não ter se imunizado.

No último domingo, Bolsonaro disse que não pôde acompanhar o jogo do Santos contra o Grêmio presencialmente por não estar vacinado.

"Eu queria ver o jogo do Santos agora e me falaram que tem que estar vacinado", disse Bolsonaro em vídeo postado em seu perfil no Facebook. "Por quê isso?"

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade