0

Bill Gates alertou: "Mundo não está preparado para pandemia"

Em palestra de 2015, o fundador da Microsoft falou sobre as medidas globais que deveriam ser tomadas

30 mar 2020
08h00
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

"Nós não estamos preparados para a próxima pandemia". A frase, que pode parecer óbvia dado o caos instaurado em todos os cantos do planeta devido ao avanço do coronavírus, foi dita pelo fundador da Microsoft e um dos homens mais ricos do mundo, Bill Gates, em uma palestra de 2015. O discurso, feito na plataforma TED Talks, abordava a recente epidemia de ébola que explodiu na costa oeste da África em 2014 e apresentava soluções para lidar com situações semelhantes.

Bill Gates alertou: "Mundo não está preparado para pandemia"
Bill Gates alertou: "Mundo não está preparado para pandemia"
Foto: Reprodução

"Não tivemos uma situação pior [durante a epidemia de ébola] por conta do belo trabalho dos profissionais de saúde, mas também pela natureza do vírus. Ébola não é transmitida pelo ar e os pacientes contagiosos estão tão doentes que precisam ficar acamados. Agora, imaginem um vírus com o qual as pessoas se sintam bem o suficiente para entrarem em um avião ou irem ao mercado?", profetizou Gates, que também colocou uma eventual pandemia como um perigo muito maior para a humanidade do que uma possível guerra nuclear.

"Se algo vai matar dezenas de milhões de pessoas nas próximas décadas, provavelmente será um vírus altamente contagioso e não uma guerra", teorizou.  De acordo com o empresário, o maior motivo do perigo é o fato do mundo ter investido em estratégias anti-guerra, mas não em meios de conter pandemias. "A falha em previnir pode tornar a próxima epidemia muito mais mortal que a ébola."

Para exemplificar, Gates trouxe um modelo de como um vírus semelhante ao da gripe espanhola, que assolou o mundo em 1918, se espalharia nos dias de hoje. De acordo com a pesquisa, caso não houvesse um preparo global, mais de 33 milhões de pessoas seriam mortos pela doença. 

Entre as soluções apresentadas pelo fundador da Microsoft que já estão se mostrando úteis contra o coronavírus, está o uso de celulares e da internet para mapear os lugares onde a doença está se espalhando. Além disso, o bilionário sugere um sistema de saúde global. "O melhor jeito de nos prepararmos é da mesma maneira que nós preparamos para a guerra, com equipes de "soldados" da saúde prontas para serem deslocadas para o centro da epidemia", explicou. Gates ainda clamou por sistemas de saúde melhores em países pobres e aumento na imunização de pessoas .

No final, o empresário, que é responsável por dar aporte financeiro a centenas de projetos de pesquisas de saúde através da fundação Bill e Melinda Gates, também convidou governos e empresas a se juntarem à iniciativa. "Eu não tenho um orçamento certo de quanto isso custaria, mas podem ter certeza de que será um preço pequeno a pagar comparado ao possível dano", ressaltou. 

"Investir da saúde global tornará o mundo um lugar mais justo e seguro. Esse deveria ser a nossa maior prioridade. Se nós começarmos agora, estaremos prontos para a próxima pandemia", finalizou Gates.

Assista, na íntegra, a palestra feita por Gates em 2015

 

Gates vai na contramão do "mercado"

Conhecido por ser um ávido apoiador de iniciativas cientificas e por uma série de iniciativas filantrópicas, Bill Gates tem sido catégorico ao pedir para as pessoas permanecerem em quarentena durante a pandemia de coronavírus, indo na contramão de outros bilionários, agentes do mercado e até chefes de estado, como por exemplo o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que temem por um colapso na economia. "É impossível retomar a economia e ignorar a pilha de corpos”, afirmou o fundador da Microsoft ao ser perguntado sobre os efeitos no mercado financeiro.

Ao ser perguntado sobre soluções, Gates também preferiu se manter alinhado aos cientistas. "A mensagem clara seria que não temos escolha a não ser continuar com esse isolamento", concluiu o magnta, que ainda afirmou que "é possível ressuscitar a economia, mas não os mortos pela pandemia".

Veja também:

Escalada de casos de covid-19 nos frigoríficos
Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade