2 eventos ao vivo

Argentina anuncia novas medidas contra a alta do dólar no mercado local

Governo argentino fez mudanças em regras de funcionamento do mercado de capitais e anunciou nova emissão de US$ 750 milhões em títulos

19 out 2020
22h02
atualizado às 23h25
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O Ministério da Economia da Argentina anunciou nesta segunda-feira, 19, novas medidas com o objetivo de diminuir a pressão sobre o mercado de dólar.

O governo local reduziu para três dias o chamado "parking" - prazo mínimo de permanência entre a compra e venda de um título -, além de permitir mais uma vez que a operação seja feita por investidores não residentes no país. Além disso, o governo também vai fará nova emissão de US$ 750 milhões, numa manobra, de acordo com o jornal Clarín, para escoar os fundos que estavam "presos" em títulos em pesos - e que pressionavam o mercado financeiro de dólares.

O pacote representa uma mudança de estratégia do ministério, depois de o país ter anunciado em setembro medidas para reforçar o controle no câmbio.

"Esse conjunto de ações possibilitará dotar o mercado financeiro de maior previsibilidade e volume, interagindo de forma virtuosa com a geração de uma trajetória econômica consistente e sustentável", diz o documento divulgado pelo Ministério da Economia, que é comandado por Martín Guzmán.

A pasta destacou ainda que tem observado uma "deterioração das expectativas" nas últimas semanas no país, mas que tem "trabalhado firmemente" no refinanciamento da dívida com órgãos multilaterais de crédito. "No processo mencionado, o diálogo com o FMI (Fundo Monetário Internacional) encontra-se em fase de interação construtiva."

O mercado argentino tem operado sob forte pressão, com uma brecha de mais de 120% entre o câmbio oficial e o negociado em mercados alternativos. A economia enfrenta o terceiro ano seguido de recessão e tem sido muito atingida pelos efeitos da pandemia do novo coronavírus./COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Veja também:

Sabrina Sato revela que pai está hospitalizado com covid-19
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade