5 eventos ao vivo

Califórnia: Vítimas do incêndio podem nunca ser encontradas

Quase mil pessoas ainda estão desaparecidas e 10.364 casas foram destruídas.

19 nov 2018
13h33
atualizado às 14h15
  • separator
  • comentários

Equipes que procuram os restos mortais de vítimas do incêndio florestal que destruiu a cidade de Paradise, no Estado norte-americano da Califórnia, disseram que alguns corpos podem nunca ser encontrados devido à intensidade das chamas.

Até a noite de domingo, autoridades haviam recuperado os restos mortais de 77 pessoas, após o incêndio mais letal e destrutivo a atingir a cidade de montanha localizada 130 km ao norte da capital do Estado, Sacramento.

Equipes de resgate recuperam restos mortais em trailer destruído por incêndio na Califórnia
17/11/2018 REUTERS/Terray Sylvester
Equipes de resgate recuperam restos mortais em trailer destruído por incêndio na Califórnia 17/11/2018 REUTERS/Terray Sylvester
Foto: Reuters

Quase mil pessoas ainda estão desaparecidas e 10.364 casas foram destruídas.

"Nos disseram para procurar o máximo que pudermos, mas ainda é possível que nós não consigamos encontrar os restos de alguém", disse Trish Moutard, voluntária da Associação de Cães de Resgate da Califórnia.

"Se o fogo durou tempo suficiente e queimou o suficiente, os ossos podem, no mínimo, ter se fragmentado a um tamanho tão pequeno que não poderíamos vê-los e é possível que mesmo os cachorros não sejam capazes de detectá-los."

Autoridades têm pedido que moradores chequem a lista de desaparecidos para remover pessoas que já foram encontradas ou cujos nomes estão duplicados, disse Miranda Bowersox, porta-voz da delegacia de polícia do condado de Butte.

A lista praticamente dobrou de tamanho em cinco dias depois que funcionários de resgate e a polícia enviaram os nomes de pessoas reportadas como desaparecidas a eles, disse Bowersox.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade