4 eventos ao vivo

Por que o 'dínamo' da Lua se apagou, levando o satélite a perder seu campo magnético

Hoje a Lua está indefesa contra a radiação e os fortes ventos solares, mas há bilhões de anos ela possuía um escudo protetor, ainda mais poderoso do que o da Terra.

24 jan 2020
08h06
  • separator
  • 0
  • comentários

A vida na Terra é possível graças a um poderoso escudo invisível. É o campo magnético que bloqueia as partículas dos ventos solares que bombardeiam incessantemente nosso planeta.

Há bilhões de anos, o núcleo da Lua funcionava como um dínamo que gerava um campo magnético.
Há bilhões de anos, o núcleo da Lua funcionava como um dínamo que gerava um campo magnético.
Foto: Getty / BBC News Brasil

Graças a esse campo magnético também existem as bússolas, um elemento essencial na vida cotidiana.

A Lua, por outro lado, não possui um campo magnético em seu entorno, o que é um imenso desafio caso de uma eventual decisão de colonizá-la.

Nosso satélite natural, no entanto, já teve um campo magnético bilhões de anos atrás. Os cientistas acreditam que ele já foi até mais forte do que o atual campo terrestre.

Como esse campo magnético funcionou e por que ele praticamente desapareceu?

Quando a Lua era 'jovem', a gravidade da Terra agitava seu núcleo o que gerava seu campo magnético
Quando a Lua era 'jovem', a gravidade da Terra agitava seu núcleo o que gerava seu campo magnético
Foto: Hernán Cañellas y Benjamin Weiss/NASA / BBC News Brasil

Cavando entre as rochas

Em uma pesquisa recente, um grupo de cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) analisou amostras de rochas lunares para encontrar a resposta para essas perguntas.

Essas rochas, formadas há bilhões de anos, ainda mantêm traços do campo magnético que as cercava, por isso serviram aos pesquisadores para rastrear a evolução desse campo.

Cerca de 4 bilhões de anos atrás, o campo magnético da Lua era de 100 microteslas, que é a unidade de medida da densidade do fluxo magnético.

Hoje, em comparação, o campo magnético da Terra é de 50 microteslas.

Esse elemento no entorno da Lua, no entanto, desapareceu há cerca de 1 bilhão de anos.

A Lua está cada vez mais distante da Terra
A Lua está cada vez mais distante da Terra
Foto: Getty / BBC News Brasil

Por que desapareceu?

Mas, para saber como ele desapareceu, primeiro os pesquisadores devem ter clareza sobre como surgiu esse campo magnético.

A conclusão foi que esse escudo foi gerado por duas causas principais.

A primeira é que, quando a Lua era jovem, cerca de 4 bilhões de anos atrás, ela estava muito mais próxima da Terra do que hoje.

Estando tão próxima, a força gravitacional da Terra teria agitado o núcleo líquido do satélite, o que criaria um poderoso dínamo. O movimento dele poderia gerar as correntes elétricas que formam o campo magnético.

À medida que a Lua se afastava — ela ainda está se movendo quase quatro centímetros por ano —, a gravidade que agitava o dínamo perdia poder e foi ficando mais fraca, portanto, o campo magnético também perdeu força.

Mais tarde, devido ao maior afastamento, cerca de 2,5 bilhões de anos atrás, a gravidade da Terra deixou de ter um efeito no núcleo lunar, que começou a se cristalizar.

Essa cristalização fez os líquidos se moverem — e isso explica por que o núcleo da Lua continuava produzindo um campo magnético, embora ele seja muito mais fraco.

O campo magnético da Terra a protege dos perigosos ventos solares.
O campo magnético da Terra a protege dos perigosos ventos solares.
Foto: Getty / BBC News Brasil

Quando o núcleo se cristalizou completamente, o dínamo finalmente parou de funcionar.

A análise das rochas mostrou que, cerca de um bilhão de anos atrás, o campo magnético da Lua era de 0,1 microteslas. Então os especialistas estimam que foi por essa data que ele finalmente desapareceu.

Os pesquisadores, no entanto, ainda não sabem se o dínamo parou permanentemente ou se entrou em um ciclo de "pausa ativa" antes de desligar para sempre.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade