0

30 anos do 'Pálido Ponto Azul': a icônica foto que mudou a forma como vemos nosso planeta

Nasa usou técnicas e programas modernos para aprimorar o registro feito pela sonda Voyager, que nos permite ter uma real noção do lugar que ocupamos no Universo.

14 fev 2020
15h06
  • separator
  • 0
  • comentários

É inquestionavelmente uma das melhores imagens espaciais de todos os tempos.

A Nasa reprocessou o registro da Terra usando técnicas e software modernos, o que a deixou 'mais limpa'
A Nasa reprocessou o registro da Terra usando técnicas e software modernos, o que a deixou 'mais limpa'
Foto: NASA/JPL-Caltech / BBC News Brasil

A foto "Pálido Ponto Azul" foi feita há 30 anos pela sonda Voyager 1, a uma distância de cerca de 6 bilhões de quilômetros da Terra. Ela mostra nosso planeta como um ponto azul brilhante na vastidão do espaço, "preso" dentro de um raio de luz solar.

Para marcar o aniversário da imagem, a agência espacial americana, a Nasa, reprocessou esse registro icônico usando técnicas e softwares modernos. Agora, a imagem parece "mais limpa".

Ela fez parte de uma sequência final de fotos tiradas pela Voyager antes de seu sistema de câmeras ser desligado para economizar energia.

A imagem original (acima) foi feita a uma distância de 6 bilhões de km da Terra
A imagem original (acima) foi feita a uma distância de 6 bilhões de km da Terra
Foto: NASA/JPL / BBC News Brasil

A sonda havia completado sua passagem pelos planetas, e tinha uma última missão antes de rumar para o espaço interestelar.

Carl Sagan e Carolyn Porco, dois cientistas da missão, convenceram os diretores da Nasa de que a sonda fizesse um "retrato em família do Sistema Solar" antes de ser desligada.

Os 60 quadros que a Voyager enviou de volta mostram o Sol e seis dos principais planetas — Vênus, Terra, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

Mercúrio e Marte, além de Plutão, não aparecem por várias razões. O Planeta Vermelho, por exemplo, não podia ser distinguido em meio aos raios de sol que refletiam dentro do sistema óptico da câmera.

'Este é o nosso lar'

Uma das razões pelas quais a foto ficou tão famosa é a popularidade dos escritos de Sagan.

Em seu livro de 1994, Pálido Ponto Azul: Uma Visão do Futuro do Homem no Espaço, ele disse: "Olhe novamente para esse ponto. É aqui. Este é nosso lar. Somos nós". E passou a descrever a Terra como "uma partícula de poeira suspensa em um raio de sol".

Carolyn Porco disse à BBC, em 2013, que a foto proporciona uma "visão cristalina e sem distorções de nosso lugar no cosmos que corrói toda ilusão e nos confronta com um poderoso reconhecimento de nós mesmos — um reconhecimento que nunca deixa de nos emocionar".

A sonda Cassini fez sua própria versão, em 2013, com Saturno em primeiro plano
A sonda Cassini fez sua própria versão, em 2013, com Saturno em primeiro plano
Foto: NASA/JPL-Caltech/SSI / BBC News Brasil

O britânico Garry Hunt, que fez parte da equipe de imagens da Voyager, diz que a foto é mais relevante hoje do que nunca.

"Toda vez que dou uma palestra sobre clima e questiono o que alguém está fazendo agora em prol de uma mudança, mostro esta imagem, porque fica claro que a Terra é um pontinho isolado. Esse pequeno ponto azul é o único lugar em que podemos viver, e estamos estragando isso", disse ele ao programa Today, da BBC Radio 4.

Carolyn Porco fez uma nova versão da foto icônica com a sonda Cassini em 2013, ao direcionar sua câmera para a Terra e registrar novamente o pálido ponto azul com os anéis de Saturno em primeiro plano.

Espera-se que a sonda New Horizons, que sobrevoou Plutão em 2015 e agora está a pouco mais de 7 bilhões de quilômetros da Terra, tente em algum momento tentar repetir o feito fotográfico.

Mas direcionar as câmeras para o centro do Sistema Solar — e diretamente no Sol — traz alguns riscos para os seus delicados sensores. Portanto, nenhum esforço neste sentido será feito até que os principais objetivos da New Horizons sejam alcançados.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade