0

Senadora elogia ajuda de colega a boliviano: 'ato de bom senso'

26 ago 2013
17h38
atualizado às 17h39
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A senadora Ana Amélia (PP-RS) afirmou nesta segunda-feira em Plenário que o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) “agiu muito bem” ao participar da operação secreta que trouxe o senador boliviano Róger Pinto Molina para território brasileiro nesse fim de semana. “Foi um ato, no meu juízo, de bom senso, já que não há uma solução adequada do ponto de vista diplomático”, disse. As informações são da Agência Senado.

O senador boliviano Roger Pinto, em foto de 2008
O senador boliviano Roger Pinto, em foto de 2008
Foto: EFE

O senador Molina, adversário do governo Evo Morales, estava há 15 meses asilado na Embaixada do Brasil na capital boliviana, La Paz. Ele é acusado por diversos crimes pelo governo daquele país e nunca conseguiu o salvo-conduto das autoridades bolivianas para sair da embaixada brasileira e asilar-se no Brasil. Molina alega que os processos contra ele são fruto de perseguição política por parte do governo.

Ana Amélia lembrou que, nos últimos meses, houve diversos casos de aviões brasileiros em missões oficiais revistados com o uso de cães farejadores pela polícia boliviana, em razão da possibilidade de Molina estar escondido nessas aeronaves. Em 31 de outubro de 2012, ressaltou a senadora, até o avião do ex-chanceler brasileiro, o atual ministro da Defesa, Celso Amorim, foi vistoriado em território boliviano.

Para Ana Amélia, tanto Ferraço quanto o diplomata Eduardo Saboia, que autorizou a operação, agiram por “solidariedade humana, institucional e parlamentar”. Ela também afirmou que a história desse caso ainda precisa ser “melhor contada”. A senadora disse estranhar que um par de carros diplomáticos tenha conseguido percorrer 1,6 mil quilômetros na Bolívia e chegar ao Brasil sem ser revistado.

“Quando você está no limite entre a vida ou a morte, as questões de convenções internacionais, de acordos bilaterais, da reciprocidade bilateral têm que ser avaliadas em segundo plano, porque está em causa a vida, a vida humana. E não discuto se é amigo, se é inimigo de quem quer seja. É uma pessoa, um ser humano”, afirmou.

Veja também:

Jovem morre após apontar arma contra equipe da PM em Londrina
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade