PUBLICIDADE

SP: Ciro e Paulinho são vaiados; Haddad e Boulos pedem união

Manifestantes se dividiram entre vaias e aplausos durante ato contra o governo Bolsonaro na Avenida Paulista

2 out 2021 18h48
| atualizado às 19h45
ver comentários
Publicidade
Ciro Gomes durante protesto contra Bolsonaro realizado na Avenida Paulista
Ciro Gomes durante protesto contra Bolsonaro realizado na Avenida Paulista
Foto: Guilherme Gandolfi / Futura Press

Em uma sequência de discursos do alto de um trio elétrico na Avenida Paulista, em São Paulo, lideranças políticas da esquerda como os ex-ministros Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT), além do coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto Guilherme Boulos (PSOL), ressaltaram a diversidade da oposição e defenderam sua unidade em prol do impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

Ciro Gomes foi ao mesmo tempo vaiado e aplaudido durante a sua fala. O discurso incendiou a militância petista: muitas pessoas entoaram o nome do ex-presidente Lula (PT) e fizeram a letra L com as mãos. Outras atiraram objetos em direção ao presidenciável do PDT.

Em seu discurso, Ciro pediu o impeachment de Bolsonaro e defendeu a derrubada da "serpente bolsonarista" no País. O político também disse ser contra o "fascismo" e que a hora de Bolsonaro "está chegando". "O povo brasileiro é muito maior que o fascismo de vermelho ou de verde e amarelo", afirmou.

 

O deputado federal Paulinho da Força (Solidariedade-SP) também foi vaiado durante sua fala no ato contra Bolsonaro na Avenida Paulista. Seu discurso, curto, foi praticamente inaudível por causa das vaias e xingamentos proferidos contra ele.

Criticado pelos manifestantes por já pertencido à base de apoio de Bolsonaro, Paulinho atualmente defende o impeachment do presidente. Segundo alguns dos presentes, as pautas apoiadas pelo deputado no Congresso tratam de "ações contra o trabalhador."

Lideranças da esquerda

Ex-candidato à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos abriu o último bloco do ato na Avenida Paulista destacando a diversidade de pessoas e partidos presentes no ato. Segundo ele, a diversidade política presente hoje nas ruas inclui "gente, inclusive, com quem a gente tem muita diferença", afirmou. Na sequência, disse que as diferenças são menores do que a união para "tirar Bolsonaro".

Fernando Haddad, Eduardo Suplicy e Guilherme Boulos durante ato na Paulista
Fernando Haddad, Eduardo Suplicy e Guilherme Boulos durante ato na Paulista
Foto: WESLEY REZENDE /PHOTOPRESS / Estadão Conteúdo

Fernando Haddad, por sua vez, defendeu que o governo do presidente Bolsonaro chegue ao fim antes das eleições de 2022. "Não podemos perder de vista o que nós estamos fazendo aqui", disse. "Estamos aqui porque o povo quer comer e Bolsonaro não deixa, o povo quer estudar e Bolsonaro não deixa, quer trabalhar e o governo Bolsonaro não deixa", disse.

"Temos que buscar o sentimento comum e o sentimento comum é 'fora, Bolsonaro'", afirmou o deputado carioca Marcelo Freixo (PSB), que também discursou no ato. "As ruas estão pedindo a nossa unidade", defendeu em outro momento.

Estadão
Publicidade
Publicidade