PUBLICIDADE

Política

Sem apresentar provas, Elon Musk volta a afirmar que Moraes 'interferiu nas eleições'

Dono do X (antigo Twitter) usou a plataforma para atacar Alexandre de Moraes mais uma vez

19 abr 2024 - 13h03
(atualizado às 13h24)
Compartilhar
Exibir comentários
Elon Musk e Alexandre de Moraes
Elon Musk e Alexandre de Moraes
Foto: Trevor Cokley/Força Aérea dos EUA e Pedro Kirilos/Estadão

O dono do X (antigo Twitter), Elon Musk, voltou a afirmar, sem provoas, que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), 'interferiu no resultado das eleições' brasileiras. A acusação foi feita em publicação na plataforma, nesta quinta-feira, 18. 

A postagem foi feita em seu próprio perfil na rede social, ao compartilhar um vídeo do jornalista norte americano Michael Shellenberger, em que diz que há evidências de que o Brasil sofre uma "ampla censura". O repórter menciona a veiculação de documentos sigilosos enviados pelo STF, pedindo a exclusão de postagens e determinando que 150 contas do X fossem tiradas do ar, entre elas, de políticos e jornalistas brasileiros. Ele afirma que determinação é 'censura'. 

"Estas exigências de proibições podem constituir interferência eleitoral. [...] Em muitos aspectos, o sistema de censura abrangente do Brasil é exclusivo do País. O Complexo Industrial de Censura do Brasil está localizado no judiciário e não no poder executivo, como acontece na Europa e nos EUA", alega Shellenberger.

O repórter ainda disse que agências militares e de inteligência dos EUA e Reino Unido usam "táticas de censura semelhantes ao do TSE", mas também não apresenta provas. 

Musk X Moraes

O embate entre o bilionário sul-africano e o ministro do STF ocorre desde o sábado, 6, quando Musk utilizou de seu perfil na rede social X para acusar Moraes de infringir a Constituição brasileira e promover censura em decisões judiciais. No dia seguinte, o empresário voltou a atacar Moraes, afirmando que o ministro deveria renunciar à sua cadeira na Corte ou sofrer um impeachment.

Em uma nota, o X alegou ter sido forçado, por decisões judiciais, a bloquear determinadas contas populares e que não sabe os motivos pelos quais as ordens de bloqueio foram emitidas.

Em resposta, o ministro incluiu Musk como investigado no inquérito das milícias digitais por "dolosa instrumentalização" do X. Na última segunda, 8, o empresário repetiu o ato, chamando Moraes de "ditador" e afirmando que ele teria o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) "na coleira".

Já na última quarta-feira, 10, Moraes se manifestou publicamente sobre a polêmica ao dizer que "talvez alguns alienígenas não saibam, mas passaram a aprender e tiveram conhecimento, da coragem e seriedade do Poder Judiciário brasileiro".

"A população brasileira, as pessoas de bem, sabem que liberdade de expressão não é liberdade de agressão, não é liberdade para proliferação do ódio, do racismo, da misoginia, da homofobia, não é liberdade de defesa da tirania", afirmou o ministro em sessão plenário do STF.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade