PUBLICIDADE

'Rachadinhas': CPI pode convocar ex-cunhada de Bolsonaro

Andrea Siqueira Valle está envolvida em novas denúncias relacionando o chefe do Executivo no esquema de desvio de dinheiro público

6 jul 2021 11h17
| atualizado às 11h18
ver comentários
Publicidade
Andrea Siqueira Valle
Andrea Siqueira Valle
Foto: Redes sociais / Reprodução

A CPI da Covid deve votar na quarta-feira, 7, a convocação de Andrea Siqueira Valle, ex-cunhada do presidente Jair Bolsonaro envolvida em novas denúncias relacionando o chefe do Executivo no esquema das chamadas 'rachadinhas'.

Em uma gravação divulgada na segunda-feira, 5, Andrea acusa o presidente de envolvimento em um esquema de desvio de recursos públicos - conhecido como 'rachadinha' - quando foi deputado. Segundo a denúncia, o dinheiro que deveria ser usado para o pagamento de servidores da Câmara era 'devolvido' para o então deputado Jair Bolsonaro. O advogado Frederick Wassef, que representa o presidente, nega as acusações.

O pedido de convocação é assinado pelo relator da comissão, senador Renan Calheiros (MDB-AL). “A pessoa convocada tem ligação direta com suspeitas de crimes investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, envolvendo o presidente da República e seus filhos. Além disso e intimamente ligadas ao objeto desta CPI, há notícias de que as indicações de ocupantes para posições, cargos e funções estratégicos no Ministério da Saúde e outras posições no combate à pandemia seriam feitas pelo presidente da República, por seus filhos e pessoas próximas a eles, em sua maioria, por meio da senhora Andrea Siqueira Valle”, argumenta o senador.

A CPI da Pandemia tem 59 requerimentos na pauta. Eles preveem, por exemplo, a quebra dos sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático dos deputados federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do Governo na Câmara, e Luis Miranda (DEM-DF). Barros teria sido citado pelo presidente Jair Bolsonaro em um suposto esquema de corrupção para a compra da vacina Covaxin. A denúncia foi apresentada em junho por Miranda.

Renan sugere ainda a quebra dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de Danilo e Gustavo Berndt Trento. Eles são apontados como sócios de Francisco Maximiano, da Precisa Medicamentos, também envolvido em denúncias de irregularidades na compra da vacina Covaxin.

Relator da CPI da Covid no Senado, Renan Calheiros, durante reunião do colegiado 
REUTERS/Adriano Machado
Relator da CPI da Covid no Senado, Renan Calheiros, durante reunião do colegiado REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Renan também apresentou um requerimento de informações ao Comando do Exército. Ele quer acesso a todos os relatórios e informações de inteligência relacionados ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e aos militares Antônio Élcio Franco, Marcelo Blanco da Costa e Alexandre Martinelli Cerqueira. Os três últimos também atuaram no Ministério da Saúde durante a pandemia de coronavírus.

O relator da CPI da Pandemia propõe ainda que a Polícia Federal investigue o encontro ocorrido entre o policial militar Luiz Paulo Dominguetti e o então diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias - já exonerado.

Dominguetti se apresenta como representante comercial da empresa Davati Medical Supply, com sede nos Estados Unidos. Ele afirmou ter recebido de Dias um pedido de propina para a compra de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca. A solicitação de Renan pede que a PF apreenda imagens e equipamentos no Brasília Shopping, no Garvey Park Hotel e no restaurante Vasto, onde Dominguetti e Dias teriam se encontrado.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou também um requerimento para que o Ministério da Saúde informe todos os registros de entrada de Luiz Paulo Dominguetti e do reverendo Amilton Gomes da Paula ao longo de 2021. O religioso, que também é alvo de um pedido de convocação, recebeu aval da pasta para negociar a compra de 400 mil doses da AstraZeneca com a empresa Davati.

Fonte: Agência Senado
Publicidade
Publicidade