1 evento ao vivo

PF instaura novo inquérito para apurar ataque a Bolsonaro

Abertura de segundo inquérito foi para que se tenha possibilidade de trabalhar com mais calma já que se trata de um presidenciável

25 set 2018
12h24
atualizado às 12h57
  • separator
  • 34
  • comentários

A Polícia Federal (PF) instaurou nesta terça-feira, 25, o segundo inquérito para apurar o atentado contra o candidato do PSL à Presidência, deputado federal Jair Bolsonaro (TJ), ocorrido no dia 6 de setembro. O parlamentar levou uma facada no abdômen enquanto fazia campanha em Juiz de Fora, na Zona da Mata de Minas Gerais.

Jair Bolsonaro (PP-RJ) discursa no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF).
Jair Bolsonaro (PP-RJ) discursa no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF).
Foto: Dida Sampaio/AGE / Estadão

O primeiro inquérito indica que o autor do atentado, Adelio Bispo de Oliveira, agiu sozinho. O segundo procedimento, conforme fontes da PF, foi aberto porque o prazo para a investigação de procedimento aberto a partir de prisão em flagrante, é curto, mesmo com a possibilidade de prorrogação.

Não há indícios de que Bispo tenha agido com outras pessoas, ainda segundo fontes da PF. "A opção em abrir um segundo inquérito foi para que se tenha a possibilidade de trabalhar com mais calma, já que se trata de um candidato à Presidência da República líder das pesquisas de intenção de voto", diz uma das fontes. "A investigação, no entanto, aponta para atuação do que chamamos de 'lobo solitário'", acrescentou a PF.

As apurações dos federais indicam ainda que o autor do atentado é portador de distúrbio mental. Desde a abertura do primeiro inquérito, ocorrida logo depois do atentado, a Polícia Federal ouviu cerca de 30 pessoas e quebrou os sigilos financeiro, telefônico e telemático de Bispo. Também não foi encontrada movimentação bancária suspeita.

Bolsonaro se recupera do atentado em hospital na capital paulista. Nesta segunda-feira, 24, na primeira entrevista que deu depois do episódio em Juiz de Fora, à rádio Jovem Pan de São Paulo, o deputado disse que seu agressor não agiu sozinho. O autor do atentado está preso em um presídio federal em Mato Grosso do Sul.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 34
  • comentários
publicidade