PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Política

Mourão exalta golpe militar de 1964: 'nação se salvou a si mesma'

31 mar 2024 - 12h10
Compartilhar
Exibir comentários

Ex-vice-presidente da República, o senador Hamilton Mourão (Republicanos-RS) exaltou neste domingo, 31, o golpe de Estado que mergulhou o País numa ditadura militar entre 1964 e 1985. "A história não se apaga e nem se reescreve, em 31 de março de 1964 a Nação se salvou a si mesma", escreveu o parlamentar sobre a investida militar que derrubou o então presidente João Goulart, o Jango, e cassou o mandato de políticos contrários ao novo regime.

General da reserva do Exército brasileiro, Mourão presidiu o Clube Militar em 2018. Fundada em 1887, a associação reúne altos oficiais das Forças Armadas, divulgando anualmente uma nota em defesa ao golpe de 1964. No texto deste ano, a instituição elogiou a atuação do general presidente Humberto Castello Branco e de seus sucessores após "as Forças Armadas empreenderam o Movimento Cívico-Militar de 31 de Março".

Setores das Forças Armadas costumam justificar o que chamam de "Revolução de 1964? como um freio a supostas ameaças de um iminente golpe comunista no Brasil naquela época. A versão não é amparada por fatos.

"Os golpistas vitoriosos tiveram amplas condições de investigar o governo deposto por meio de inúmeros inquéritos arbitrários e não acharam planos golpistas", explicou em uma entrevista ao Estadão o historiador Carlos Fico, professor titular de História do Brasil da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Movimentos contrários ao golpe de 1964 costumam usar o dia 1º de abril para marcar o aniversário do evento, enquanto que aqueles favoráveis ao movimento usam o 31 de março.

Historiadores esclareceram ao Estadão que a disputa pela data é sobretudo política, com opositores ao golpe buscando vinculá-lo ao Dia da Mentira e defensores tentando refutar esse rótulo. Na prática, porém, a ação que depôs Jango começou em 31 de março e terminou na madrugada de 2 de abril.

Censura, tortura e assassinato de opositores ao regime militar marcaram a ditadura brasileira. Depois de 60 anos do golpe, familiares de vítimas do Estado ainda buscam respostas sobre o desaparecimento de seus entes queridos.

Entre os dias 28 e 31 de março, o Estadão publicou uma série de reportagens especiais sobre o golpe militar. O material traz depoimentos e documentos inéditos que retratam o País nas décadas anteriores ao golpe de 64 e nos anos que se sucederam.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade