PUBLICIDADE

Lira faz ameaças a Petrobras e diz que País vai enfrentar a estatal

Na sexta-feira, 17, a estatal anunciou um novo reajuste nos preços dos combustíveis

19 jun 2022 15h32
| atualizado às 17h28
ver comentários
Publicidade

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), fez novas ameaças à Petrobras neste domingo, 19, por causa da sua política de preços dos combustíveis e cobrou respeito da estatal ao povo brasileiro. Nas redes sociais, Lira afirmou que se "a Petrobras decidir enfrentar o Brasil, ela que se prepare: o Brasil vai enfrentar a Petrobras".

"Não queremos confronto, não queremos intervenção. Queremos apenas respeito da Petrobras ao povo brasileiro. Se a Petrobras decidir enfrentar o Brasil, ela que se prepare: o Brasil vai enfrentar a Petrobras. E não é uma ameaça. É um encontro com a verdade", postou no Twitter.

Em artigo publicado hoje na Folha de S.Paulo, de autoria do próprio presidente da Câmara e intitulado "Chegou a hora de tirar a máscara da Petrobras", Lira escreveu que "ficou escancarada a dupla face da estatal".

 O presidente da Câmara Arthur Lira (Progressitas-AL) elevou o tom contra a Petrobras
O presidente da Câmara Arthur Lira (Progressitas-AL) elevou o tom contra a Petrobras
Foto: PAULO SERGIO/AGÊNCIA CÂMARA / Estadão

"Quando quer ganhar tratamento privilegiado do Estado brasileiro, a empresa se apresenta como uma costela estatal. Mas, na hora em que lucra bilhões e bilhões em meio à maior crise da história do último século, ela grita o coro da governança e se declara uma capitalista selvagem", diz trecho do texto.

O discurso representa um novo capítulo da ofensiva por parte do governo federal e seus aliados contra a Petrobras. Na sexta-feira, 17, a estatal anunciou um novo reajuste nos preços dos combustíveis, o que levou governo, Congresso e o ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), a criticarem a empresa.

O presidente Jair Bolsonaro defendeu uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Petrobras. Já Lira ameaçou dobrar a taxação dos lucros da empresa e disse que a nova alta era uma retaliação do presidente demissionário da estatal, Mauro Coelho, enquanto o ministro André Mendonça, do STF, pediu explicações sobre a política de preços.

A elevação nos valores dos combustíveis é vista como um dos principais obstáculos ao projeto de reeleição do chefe do Executivo.

Lira chegou a anunciar também que reunirá nesta segunda-feira, 20, o colégio de líderes para discutir a política de preços da Petrobras e tentar reverter o lucro da empresa para a população.

Estadão
Publicidade
Publicidade