7 eventos ao vivo

Novo "lar" de Pizzolato, Papuda enfrenta clima de tensão

Penitenciária convive com greve e ameaça de rebelião

23 out 2015
16h33
atualizado às 16h34
  • separator
  • 0
  • comentários

Novo "lar" do ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, o Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal, foi marcado nas últimas semanas por um clima de tensão e perigo de rebelião devido a uma greve de agentes de segurança.

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Na manhã desta sexta-feira (23), o ex-banqueiro começou a cumprir sua pena de 12 anos e sete meses de prisão por peculato, lavagem de dinheiro e corrupção passiva no caso do mensalão. O centro de detenção, situado a cerca de 30 km do Palácio do Planalto, enfrenta uma crise há várias semanas por conta de uma paralisação de carcereiros.

A Procuradoria-Geral do Distrito Federal já disse que a greve "coloca em risco a vida e a segurança dos internos e suas famílias, além de criar um clima de insatisfação". Esse foi um dos argumentos usados pelos senadores italianos Luigi Manconi e Cecilia Guerra em seu último apelo para evitar a extradição de Pizzolato.

Segundo a promotoria, não dá para descartar o estouro de uma rebelião, já que os presos foram proibidos de tomar banho de sol e receber visitas. A paralisação foi suspensa até o início de novembro, mas a categoria ameaça retomá-la caso suas reivindicações salariais não sejam atendidas.

O descontentamento também aumentou após 50 condenados terem sido colocados em isolamento por conta de uma tentativa de fuga. De acordo com a Subsecretaria do Sistema Penitenciário do Distrito Federal, o grupo já havia construído um túnel de quatro metros a partir do pátio de uma das unidades da Papuda.

O complexo conta com cinco cárceres, que alojam mais de 10 mil pessoas. Pizzolato foi colocado em uma cela com outros dois presos, em uma ala para "vulneráveis".

 

Fonte: Ansa Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade