4 eventos ao vivo

Indicação foi "gol de placa", diz Onyx sobre Eduardo

Ministro da Casa Civil elogiou a indicação de Eduardo Bolsonaro a embaixador do Brasil nos Estados Unidos

18 jul 2019
21h28
atualizado às 21h51
  • separator
  • 53
  • comentários

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta quinta-feira, 18, que aguarda a ordem do presidente Jair Bolsonaro para enviar ao Senado a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao comando da embaixada do Brasil em Washington, nos Estados Unidos.

"Primeiro precisamos da ordem do presidente. Quando ele mandar, enviamos a indicação para a Comissão de Relações Exteriores do Senado e para o plenário da Casa. Se o presidente nos der este comando, não tenho dúvida de que vocês serão convidados para cobrir a posse dele lá", disse.

Ministro Onyx Lorenzoni
16/04/2019
REUTERS/Adriano Machado
Ministro Onyx Lorenzoni 16/04/2019 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Adriano Machado / Reuters

Para Onyx, a indicação foi "um gol de placa do presidente". Ele afirmou ainda que Eduardo irá trabalhar pela aproximação do Brasil com os Estados Unidos. "A principal função do embaixador é aproximar países e que forma melhor do que o filho do presidente, amigo de Trump Donald Trump, presidente americano fazer esse trabalho?", questionou.

Para ele, a aproximação com os americanos será importante também na defesa da Amazônia porque o país terá um aliado forte militarmente. "O dia que alguém quiser invadir a Amazônia vai saber que temos parceiros que podem nos ajudar a mantê-la sendo nossa", disse.

O ministro enfatizou que a escolha dos embaixadores é uma prerrogativa do presidente da República e que não há a exigência de que eles sejam diplomatas de carreira.

A jornalistas, Onyx disse também que durante a campanha eleitoral, muitos diplomatas "achincalharam o Brasil" por terem divergências ideológicas com Bolsonaro. "Eles prestaram um desserviço ao Brasil. Respeito a posição dos diplomatas, mas isso não lhes dá o direito, por sua matriz ideológica, de achincalhar o Brasil. Isso é uma barbaridade o que fizeram com o país", disse.

Veja também:

Estadão
  • separator
  • 53
  • comentários
publicidade