0

Bolsonaro faz apelo contra cristofobia: 'País é conservador'

"Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia", disse.

22 set 2020
12h22
atualizado às 12h26
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, 22, em discurso gravado e exibido na Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas, que a "paz não pode estar dissociada da segurança". O chefe do Executivo reafirmou o compromisso brasileiro com os ideias da ONU, em especial a preservação dos direitos humanos. "Como um membro fundador da ONU, o Brasil está comprometido com os princípios basilares da Carta das Nações Unidas: paz e segurança internacional, cooperação entre as nações, respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais de todos", afirmou.

Presidente Jair Bolsonaro em discurso gravado para a abertura da 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas.
Presidente Jair Bolsonaro em discurso gravado para a abertura da 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas.
Foto: Reprodução / Estadão Conteúdo

Para Bolsonaro, a liberdade é o "maior bem da humanidade" e o terrorismo deve ser repudiado. "A cooperação entre os povos não pode estar dissociada da liberdade. O Brasil tem os princípios da paz, cooperação e prevalência dos direitos humanos inscritos em sua própria Constituição, e tradicionalmente contribui, na prática, para a consecução desses objetivos."

Reforçando a pauta conservadora do seu governo, Bolsonaro afirmou, no final do pronunciamento, que "o Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base", além de fazer um apelo em defesa da religião cristã. "Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia", disse.

Oriente Médio

Bolsonaro afirmou que vê um momento propício a "abertura de novos horizontes, muito mais otimistas para o futuro do Oriente Médio". "Os acordos de paz entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, e entre Israel e o Bahrein, três países amigos do Brasil, com os quais ampliamos imensamente nossas relações durante o meu governo, constitui excelente notícia", declarou.

Como já fez antes, o mandatário elogiou o "Plano de Paz e Prosperidade" lançado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Segundo Bolsonaro, o plano tem "uma visão promissora para, após mais de sete décadas de esforços, retomar o caminho da tão desejada solução do conflito israelense-palestino".

"A nova política do Brasil de aproximação simultânea a Israel e aos países árabes converge com essas iniciativas, que finalmente acendem uma luz de esperança para aquela região", acrescentou.

O presidente destacou ainda a atuação humanitária brasileira na Operação Acolhida, que recebe venezuelanos na fronteira com o Brasil em Roraima, e prestou solidariedade ao povo libanês. "Também quero reafirmar minha solidariedade e apoio ao povo do Líbano pelas recentes adversidades sofridas."

Veja também:

Barroso vê 'motivação política' em ataques contra TSE
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade