1 evento ao vivo

Polícia prende PM reformado e ex-PM por suspeita de assassinato de Marielle

12 mar 2019
07h50
atualizado às 08h43
  • separator
  • 0
  • comentários

Um policial militar reformado e um ex-policial militar foram presos, nesta terça-feira, por suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, às vésperas de o crime completar um ano, informaram a polícia e o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Retrato da vereadora Marielle Franco no local onde ela foi assassinada em março de 2018
09/05/2018
REUTERS/Ricardo Moraes
Retrato da vereadora Marielle Franco no local onde ela foi assassinada em março de 2018 09/05/2018 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

A operação para prender os suspeitos do crime foi deflagrada nas primeiras horas do dia pela Polícia Civil e o MPRJ, e cumpriu mandados na casa de um dos policiais presos no mesmo condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro tem casa, na zona oeste do Rio de Janeiro, segundo as autoridades.

"Foram presos dois policiais com participação direta e efetiva no crime", disse à Reuters o secretário da Polícia Civil do RJ, Marcus Vinícius Braga. "Com essas prisões ficamos perto da solução do crime", acrescentou.

Os suspeitos presos foram identificados como Ronnie Lessa e Élcio Vieira de Queiroz. Não foi possível contactar representantes dos suspeitos de imediato.

De acordo com as investigações, Lessa foi o autor dos disparos de arma de fogo contra Marielle e Anderson, enquanto Queiroz seria o condutor do veículo utilizado para a execução. Lessa é policial militar reformado, enquanto Queiroz foi policial militar, tendo sido expulso da corporação.

Marielle e Anderson foram assassinatos em uma emboscada em 14 de março do ano passado no bairro do Estácio, na zona norte do Rio.

O assassinato da então vereadora, que denunciava abusos cometidos por policiais militares, aconteceu quando ela voltava de um evento e o carro em que estava foi atingido por diversos tiros.

O crime chamou atenção de entidades internacionais de defesa dos direitos humanos, que têm cobrado das autoridades brasileiras uma solução para o caso.

A denúncia apresentada pelo MPRJ contra os suspeitos presos nesta terça-feira afirma que "é inconteste que Marielle Francisco da Silva foi sumariamente executada em razão da atuação política na defesa das causas que defendia".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade