PUBLICIDADE

'O seringueiro é o melhor guarda florestal': o novo ciclo de borracha nativa que está ajudando a preservar a Amazônia

Mais de um século após ciclo que desenvolveu a região, novos modelos para compra da matéria-prima nativa com pagamentos por conservação ambiental criam incentivo para seringueiros retomarem atividade.

7 mar 2024 - 05h09
(atualizado às 07h26)
Compartilhar
Exibir comentários
O seringueiro José do Carmo Alves fazendo o corte para extrair látex em uma das centenas de seringueiras na terra que pertence à sua família no Pará
O seringueiro José do Carmo Alves fazendo o corte para extrair látex em uma das centenas de seringueiras na terra que pertence à sua família no Pará
Foto: Júlia Dias Carneiro/BBC / BBC News Brasil

Há coisa de seis anos atrás, facões em punho, José do Carmo Alves e sua irmã, Maria das Neves Alves Basto, voltaram a trilhar a estrada de seringueiras da área de floresta amazônica que lhes pertence, no município de Inhangapi, nordeste do Pará.

Nos troncos das árvores, ainda encontraram as cicatrizes dos cortes que haviam talhado 30 anos antes, no fim dos anos 1980, quando, de uma hora para a outra, pararam de extrair o látex - porque já não conseguiam mais vender a borracha que produziam.

Ao longo das décadas que passaram, as seringueiras permaneceram intocadas. A família extrativista sobreviveu de outras riquezas da floresta: a coleta de castanha do Pará e de açaí.

Até que apareceu um comprador dizendo que, se voltassem a produzir borracha, pagaria não apenas o valor da matéria-prima, mas um adicional por serviços ambientais - ou seja, o serviço de manter a floresta em pé. Os irmãos seringueiros retomaram a produção, e a borracha passou a ser parte essencial dos produtos sazonais da floresta que compõem os ganhos da família ao longo do ano.

"É uma ajuda muito grande na renda. Uma árvore dessas aqui é fundamental para a gente que conhece o ramo, extrai o látex e sabe trabalhar a borracha. É muito bom", diz José do Carmo, 65 anos, enquanto abre um risco no tronco de uma seringueira e deixa escorrer o seu látex.

Nativa da Amazônia, a seringueira - Hevea brasiliensis - é conhecida como a "mãe" da floresta pelo leite que escorre quando se corta o seu tronco, o látex, matéria-prima para a borracha.

A extração não compromete a saúde da árvore, que se reproduz naturalmente no bioma, onde existem espécimes de até 300 anos. Elas estão na raiz do desenvolvimento econômico da região, com o ciclo da borracha que impulsionou o crescimento de Manaus e Belém na virada do século 19 para 20.

Há mais de um século, entretanto, a matéria-prima da floresta perdeu para a borracha de áreas de cultivo, sobretudo na Ásia. Extrair o látex de árvores enfileiradas em monoculturas é incomparavelmente mais fácil do que na Amazônia, onde seringueiros percorrem até 10km por dia para alcançar árvores espaçadas pela floresta.

A concorrência desigual desvalorizou a atividade de seringueiros da Amazônia, que ao longo das décadas sofreram regimes de forte exploração de mão-de-obra e de semi-escravidão por endividamento. Muitos abandonaram os seringais.

Nos últimos anos, entretanto, novos arranjos entre o setor privado e associações de extrativistas vêm impulsionando uma expansão da produção de borracha nativa, agora reconhecida como um produto sustentável que pode gerar renda para populações locais e ajudar a preservar a floresta.

No novo modelo, empresas estão pagando valores mais altos pela borracha da Amazônia como um produto que ajuda a prover sustento para famílias a partir da floresta em pé, tornando o desmatamento um mau negócio - e levando seringueiros como os Alves a retomarem a atividade.

'O seringueiro é o melhor guarda florestal'

José do Carmo aprendeu a cortar seringa com a mãe, que por sua vez aprendeu com o pai, que migrou do Ceará para o Pará no passado, como muitos seringueiros.

O extrativismo faz com que a família de 11 irmãos tenha insistido em preservar a floresta nativa em sua terra, uma exceção na região. A ilha de floresta é cercada por áreas desmatadas para pecuária. O Pará, que vai sediar a Conferência do Clima da ONU em 2025, é de longe o Estado com os maiores índices de desmatamento na Amazônia.

"Eu comecei pequeno. Estou no ramo desde que me entendo por gente. Mas em 1988 o (então-presidente José) Sarney tirou de nós a seringa, e aí eu parei", afirma, referindo-se à extinção repentina de incentivos do governo militar. "Depois de uns 20 ou 30 anos, o senhor Francisco veio para cá e me achou. E aí continuei com ele."

José do Carmo se refere a Francisco Samonek, paranaense radicado na Amazônia há 40 anos.

Ao longo desse período, Samonek criou três empresas no município de Castanhal para trabalhar com borracha nativa - uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip) para desenvolver tecnologias, educar e aprimorar os processos usados por seringueiros; uma cooperativa de seringueiros para cuidar da produção; e uma marca para desenvolver produtos a partir da borracha nativa, a Seringô.

O empresário Francisco Samonek, da Seringô, com o calçado que desenvolveu usando borracha da Amazônia e fibras naturais
O empresário Francisco Samonek, da Seringô, com o calçado que desenvolveu usando borracha da Amazônia e fibras naturais
Foto: Júlia Dias Carneiro/BBC / BBC News Brasil

A marca desenvolve calçados sustentáveis com solados feitos da matéria-prima florestal, e desenvolve oficinas para que as famílias aprendam a fazer itens de decoração e biojóias com a borracha nativa em suas comunidades. Hoje, 1.500 famílias vendem borracha e artesanato para a Seringô, como os irmãos Alves. A meta é triplicar essa rede até o fim deste ano.

"O seringueiro é o melhor guarda florestal que nós temos", diz Francisco Samonek, empreendedor social à frente da Seringô. "Se ele receber um preço justo pela produção de borracha artesanal, ele vai ficar ali cuidando da floresta. Se ao menos o mundo pudesse enxergar isso com clareza."

As seringueiras precisam estar em meio à floresta para se manterem saudáveis e produtivas. A conta no setor é que, para cada estrada de seringais (um percurso que leva a até 200 árvores), é preciso haver cerca de 100 hectares de floresta preservados ao redor, o que equivale a cerca de 100 campos de futebol.

"Nosso papel é fazer com que o trabalho dos seringueiros seja gratificante e gere renda suficiente para que as comunidades permaneçam na floresta", diz Zélia Damasceno, esposa e parceira de Samonek na Seringô. "E que pensem que, a cada árvore que eles derrubarem, menos renda vão ter aqui. Hoje, eles fazem esse cálculo."

Atualmente, a Seringô compra cinco toneladas de borracha nativa por mês, volume que pretende quadruplicar até o fim deste ano. Além do preço-padrão do quilo da borracha bruta (cerca de R$ 2 por quilo), a empresa paga aos seringueiros um valor cinco vezes maior a título de serviços ambientais.

Este mecanismo financeiro foi criado para remunerar comunidades por serviços ambientais que gerem benefícios para a sociedade. Neste caso, a condição é que o seringueiro não desenvolva atividades predatórias em sua área.

Além disso, os produtores recebem um valor adicional do governo federal dentro da Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio), que assegura o valor mínimo de R$ 7,18 por quilo da borracha. Com isso, recebem quase R$ 18 por quilo da matéria-prima.

'Caminho sem volta'

A Seringô é parte de um grupo ainda pequeno de empresas que pagam até cinco vezes mais pelo preço da borracha nativa em comparação ao preço da commodity produzida em seringais cultivados - seja nas áreas de plantio brasileiras, que se concentram no Sudeste, ou em países do sul da Ásia.

A aposta é que, hoje, consumidores se dispõem a pagar mais por produtos feitos com matérias-primas sustentáveis, em cadeias de produção que geram benefícios ambientais e sociais.

Hoje, a marca de calçados francesa Vert/Veja é a maior compradora de borracha nativa da Amazônia, seguida da multinacional de pneumáticos Michelin. A Mercur criou um programa para valorizar a borracha nativa há dez anos, comprando a matéria-prima de indígenas e seringueiros em Altamira, Pará, para produzir borrachas de apagar e elásticos.

"É um caminho sem volta", diz Luciana Batista Pereira, diretora de cadeias produtivas da Vert/Veja, que a cada ano compra 700 toneladas de borracha nativa de 2.500 famílias organizadas em cooperativas no Acre, Amazonas, Rondônia, Pará e Mato Grosso.

Os valores adicionais pagos pela empresa são condicionados à conservação da floresta. As áreas extrativistas são monitoradas por satélite, em uma plataforma online que permite à empresa rastrear eventuais danos à floresta.

"Grande parte das famílias com as quais trabalhamos tinha um histórico de seringueiros, mas tinha parado por décadas. Agora está havendo um resgate da atividade e da identidade dessas famílias, mas dentro de um novo modelo", afirma Pereira.

"Elas não vendem mais para atravessadores, não ficam sem receber, não veem o trabalho ser desvalorizado. Esse retorno se dá em um movimento de reconhecimento do trabalho do seringueiro e do seu papel. As famílias estão se empoderando e não querem mais projetos de cima para baixo. Querem estar da mesa de decisão", afirma.

Francisco Samonek ao lado de sua esposa, Zélia Damasceno, parceira na Seringô
Francisco Samonek ao lado de sua esposa, Zélia Damasceno, parceira na Seringô
Foto: Júlia Dias Carneiro/BBC / BBC News Brasil

Pedra fundamental da economia da Amazônia

No grande ciclo da borracha que teve seu apogeu entre as décadas de 1880 e 1910, a borracha nativa da Amazônia chegou a ser o segundo principal produto da balança comercial brasileira, atrás apenas do café.

Na época, as seringueiras da floresta eram a grande fonte global da matéria-prima. O ciclo impulsionou o crescimento de Manaus e Belém e encheu os cofres dos barões da borracha, às custas da exploração inclemente das populações locais.

A história mudou depois que milhares de sementes de seringueiras foram contrabandeadas para o Reino Unido, que conseguiu cultivar seringueiras com sucesso em suas colônias asiáticas, precipitando o fim do ciclo da borracha da Amazônia.

A matéria-prima amazônica teve outro ciclo de expansão durante a Segunda Guerra Mundial, quando a borracha asiática ficou inacessível aos países Aliados. Os Estados Unidos firmaram um acordo com o Brasil, e Getúlio Vargas enviou cerca de 60 mil "soldados da borracha" para a Amazônia, sobretudo do Nordeste, para suprir a demanda. Com o fim da guerra, os incentivos acabaram, e os seringueiros ficaram ao deus-dará.

A ditadura militar marcou mais um período de incentivos, com a implantação do Programa de Incentivo à Produção de Borracha Natural (Probor), que almejava tornar o Brasil autossuficiente na produção de borracha. Mas os estímulos eram aos seringalistas (donos dos seringais), e não aos seringueiros (os trabalhadores).

"Ser seringueiro era viver para trabalhar para o patrão", relembra Dione Torquato, secretário geral do Conselho Nacional das Populações Extrativistas (o ex-Conselho Nacional dos Seringueiros, que mantém a sigla original, CNS).

"Os seringueiros eram analfabetos e já chegavam devendo no seringal. Os seringalistas roubavam no valor do produto, contabilizando a produção para baixo. Assim, os seringueiros não podiam abandonar o seringal por causa das dívidas."

Segundo Torquato, parte dessas dificuldades enfrentadas pela classe foram superadas ao longo das décadas, com a criação de reservas extrativistas, a organização da categoria e a luta simbolizada até hoje pelo líder Chico Mendes, assassinado em 1988.

"Não temos dúvida da importância que esse produto teve para o desenvolvimento da região e do país. Porém, ao longo dos anos, a atividade foi enfraquecendo e sofrendo com a falta de incentivo e de políticas públicas. Essas comunidades ficaram à mercê, esquecidas e invisibilizadas debaixo das camadas de floresta."

Metas de aumentar a produção na Amazônia

Em 2022, a produção de borracha nativa da floresta amazônica foi apenas 0,3% do total de borracha produzida por ano no Brasil
Em 2022, a produção de borracha nativa da floresta amazônica foi apenas 0,3% do total de borracha produzida por ano no Brasil
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Segundo o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), o Brasil produz 259 mil toneladas de borracha por ano, a maioria em áreas de cultivo concentradas no Sudeste. Em 2022, a produção de borracha nativa da floresta amazônica foi de 840 toneladas, apenas 0,3% deste total.

Para 2024, entretanto, há metas de no mínimo dobrar essa produção. No ano passado, um grupo de empresas assumiu o compromisso de comprar pelo menos 1.700 toneladas de borracha nativa ao longo deste ano, após uma reunião multisetorial em Rondônia.

O encontro juntou cooperativas de seringueiros, empresas compradoras, ONGs, movimentos sociais e representantes do poder público, e foi promovido pelo Imaflora em parceria com a WWF-Brasil.

"Juntamos todo mundo na mesa para construir uma estratégia de futuro para a cadeia da borracha, para que ela seja de novo um motor econômico, como ela foi há muitas décadas atrás. Mas agora com uma nova lógica", afirma Luiz Brasi, gerente da Rede Origens Brasil, administrada pelo Imaflora, que reúne populações tradicionais, extrativistas, ONGs e empresas para promover comércio ético e com garantia de origem.

O novo modelo, descreve Brasi, exige respeito ao modo de vida das populações tradicionais e ao tempo e ciclos de produção da floresta, além de transparência nos processos de negociação.

"Essa é a aliança perfeita para uma nova economia que concilia a produção de conservação. Temos a oportunidade de gerar mais renda e melhorar a qualidade de vida das comunidades da Amazônia por meio da manutenção da floresta em pé", diz Brasi.

Com seringueiras espalhadas por toda a Amazônia, há potencial para aumentar exponencialmente a produção. O desafio é que engajar cada vez mais empresas para dar vazão a esse aumento, diz Brasi, sobretudo as do setor de pneumáticos, que consomem a maior parte da borracha mundial.

Se os preços da matéria-prima amazônica são mais altos, porém, como convencê-las a embarcar? Aí entra a importância de políticas públicas. "É muito importante o governo dar incentivos para empresas que incorporem um percentual do ingrediente da sociobiodiversidade em suas linhas", destaca.

Incentivos à bioeconomia e seus gargalos

A valorização da borracha da Amazônia ocorre em meio ao alarme global despertado pelas mudanças climáticas e clamores por frear o desmatamento da floresta para conter o aquecimento global.

Esse contexto vem dando impulso à bioeconomia, um modelo econômico desenvolvido a partir de recursos naturais extraídos de forma ética, sustentável e mantendo a floresta em pé - ou, como muitos preferem descrever em relação à Amazônia, à sociobioeconomia, contemplando na equação também a inclusão social, a geração de renda local e a valorização de saberes tradicionais.

Segundo Dione Torquato, do Conselho Nacional das Populações Extrativistas (CNS), esse modelo tem potencial significativo de impulsionar o desenvolvimento local e reduzir a pobreza notória na Amazônia.

Mas, para isso, é preciso erradicar gargalos que fazem a pobreza se perpetuar a despeito das riquezas que existem dentro da floresta. Os obstáculos enfrentados por seringueiros incluem dificuldades de acessar o mercado e falta de capacitação e assistência técnica, equipamentos básicos e capital de giro.

Pouco após deixar a área de floresta nativa preservada pela família Alves, que vive do extrativismo de borracha, castanha do Pará e açaí, a reportagem da BBC News Brasil se deparou com esta área de floresta que acabara de ser queimada — exemplo do avanço constante do desmatamento no Pará
Pouco após deixar a área de floresta nativa preservada pela família Alves, que vive do extrativismo de borracha, castanha do Pará e açaí, a reportagem da BBC News Brasil se deparou com esta área de floresta que acabara de ser queimada — exemplo do avanço constante do desmatamento no Pará
Foto: Júlia Dias Carneiro/BBC / BBC News Brasil

O Estado do Amazonas é exemplo desses gargalos e de esforços recentes para superá-los. Segundo Torquato, a produção de borracha chegou a quase zero em 2018. Esse fundo do poço motivou pesquisas da CNS com a WWF-Brasil e a empresa Michelin (que tem fábrica em Manaus) para entender por que as pessoas estavam deixando de produzir. A partir daí, foram mapeadas políticas públicas e ações necessárias para incentivar a produção, como ajustes logísticos e programas para fortalecer as associações de seringueiros.

"Um problema fundamental era que o preço baixo da borracha simplesmente não compensava por todo o trabalho e logística dos seringueiros, e isso fez com que a cadeia quase parasse", conta Torquato.

Assim, chegou-se a um acordo com a Michelin para que pagasse um premium pela borracha extrativista, estabelecendo valores adicionais fixos para remunerar qualidade, comércio justo e serviços ambientais, além de uma taxa voltada para a associação de produtores.

De R$ 2,50 que recebiam em 2016 por quilo de borracha bruta, os seringueiros passaram a receber R$ 12, acrescidos de R$ 5 em subsídios estaduais e municipais. O arranjo foi aplicado em cinco municípios do Amazonas, que saíram de uma produção ínfima nos anos anteriores para a venda de 65 toneladas de borracha em 2022, e de 118 toneladas em 2023. Torquato comemora o resultado.

"Temos na Amazônia um potencial muito grande na floresta que só precisa de incentivos para que as pessoas voltem a produzir", afirma.

Filho e neto de seringueiros, ele espera que a mobilização em curso ajude a resgatar a identidade de famílias como a dele, e a redimir seus antepassados.

"No passado, os seringueiros eram vistos como analfabetos sem capacidade de pensar. Esse racismo e preconceito social fez com que perdêssemos a conexão com a nossa identidade. Estamos trabalhando para mostrar que ser seringueiro não é atraso. É uma riqueza da nossa identidade. Temos que preservar os territórios que nossos antepassados lutaram tanto conquistar."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade