0

Movimento faz plebiscito informal para separar o Sul do País

Segundo os organizadores, expectativa é de que dois milhões de pessoas compareçam às urnas; em 2016, meta de um milhão não foi alcançada

6 out 2017
12h21
atualizado às 12h25
  • separator
  • comentários

O Movimento “O Sul é Meu País” promove neste sábado (7), das 8h às 20h, um plebiscito informal para perguntar aos eleitores de Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul se concordam com a possibilidade de se separarem do resto do Brasil. A organização da consulta, batizada de Plebisul, espera contar com a participação de até dois milhões de moradores dos três Estados, o que equivale a quase 10% do eleitorado da região, composto por 21,28 milhões de pessoas.

Estrelas em bandeira de movimento separatista representam os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul
Estrelas em bandeira de movimento separatista representam os Estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul
Foto: Reprodução/Facebook

As urnas serão distribuídas entre os 1.191 municípios. Já os locais de votação estão divulgados no site www.sullivre.org . Nas cédulas de papel, os participantes vão responder com um ‘xis’ se querem (sim) ou (não) que as três unidades da federação formem uma nação independente. Para votar, não é preciso levar título de eleitor. A única exigência é ser maior de 16 anos. A coordenadora geral do Plebisul, Anidria Rocha, reconhece que ele não tem valor legal nem jurídico, uma vez que sua realização não foi aprovada pelo Congresso Nacional. Entretanto, alega que o importante, no momento, é saber o que a população pensa a respeito do tema.

A própria Constituição Federal estabelece, em seu artigo primeiro, que é “indissolúvel” a união dos Estados e municípios e do Distrito Federal. “Não estamos buscando a separação de fato. O objetivo é justamente pesquisarmos a população de eleitores, para ver o percentual que apoia a ideia de independência”, ponderou. Ela lembrou que em outubro do ano passado, quando houve o primeiro plebiscito do tipo, 616 mil cidadãos foram às urnas, sendo que a meta era atingir em torno de um milhão. Dos votantes, 95,65% se mostraram favoráveis à proposta.

“Nesse ano, vamos chegar a mais, pois temos um número bem maior de cidades participando e de voluntários também; triplicou”, comemorou. O diferencial da segunda consulta é que agora os eleitores poderão assinar um projeto de lei de iniciativa popular, propondo a realização de um plebiscito oficial em 2018 sobre o assunto. Neste caso, os interessados precisam levar documentação. “É preciso de no mínimo 1% da população, mas esperamos já atingir 10%. Vamos batalhar para isso e, assim, enviar o projeto às três assembleias legislativas”, acrescentou Anidria.

Gaúcha, a microempresária disse ser uma das que “está ralando por causa do sistema tributário e burocrático do Brasil”. Em sua avaliação, apesar do disposto na legislação, o movimento trabalha sim dentro da legalidade. “Atuamos em vias pacíficas e democráticas, conscientizando a população sobre a importância de o Sul ser independente, devido ao seu potencial econômico, natural e humano. Concordamos pouco com o artigo primeiro. A mesma Constituição assegura a livre manifestação do pensamento e da vontade. E a própria ONU [Organização das Nações Unidas] definiu que ‘todo o poder emana do povo’”, argumentou.

Ainda de acordo com a coordenadora, são vários os fatores que impulsionam o movimento. “Os mais relevantes são o econômico e o político. Todo dinheiro arrecadado aqui de tributos vai para Brasília. Mas apenas 20% do que a gente produz retorna. Ou seja, de cada R$ 100, recebemos R$ 20. É muito pouco. Se fôssemos independentes, poderíamos administrar esse dinheiro”. Anidria afirmou que o grupo não definiu o nome do “novo país”, nem tampouco pensou em hino, bandeira ou moeda. “Vamos discutir isso mais tarde, através de referendos. São muitas as propostas na mesa, mas essas questões são irrelevantes perto dos reais motivos que a gente tem”.

Veja também

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade