0

Bolsonaro cobra que PF encontre mandantes de facada

Em primeiro vídeo após internação, presidente cobra para que PF encontre responsáveis por determinar que Adélio praticasse crime

10 fev 2019
15h36
atualizado às 16h24
  • separator
  • comentários

O presidente Jair Bolsonaro publicou neste domingo um primeiro vídeo gravado no hospital Albert Einstein desde que foi internado, há duas semanas, e cobra a Polícia Federal para que encontre os mandantes do ataque à faca que sofreu durante a campanha eleitoral.

Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair Bolsonaro
Foto: Ueslei Marcelino / Estadão

"Também espero da nossa querida Polícia Federal, polícia que nos orgulha a todos, que tenha uma solução para o nosso caso nas próximas semanas. Esse crime, essa tentativa de homicídio, esse ato terrorista praticado por um ex-integrante do PSol não pode ficar impune. E nós queremos sim, e gostaríamos, que a PF indicasse, obviamente que com dados concretos, quem foi ou quem foram os responsáveis por determinar que o Adélio praticasse aquele crime", cobrou Bolsonaro.

 

Adélio Bispo de Oliveira, responsável pelo ataque a Bolsonaro, foi filiado ao PSol até 2014. A Polícia Federal não encontrou indícios no inquérito do caso — já concluído — de que o crime tenha qualquer ligação partidária e de que exista outros envolvidos, apesar de ter classificado o caso como um claro crime político. Uma segunda investigação foi aberta para descobrir quem são os responsáveis por pagar pela defesa de Adélio.

No vídeo de pouco menos de dois minutos, Bolsonaro aparece sentado na cama de hospital, usando a bata hospitalar, aparentemente bem-disposto. O presidente agradece o tratamento que recebeu no Einstein e também na Santa Casa de Juiz de Fora, onde foi tratado logo depois do ataque, e diz ter consciência de que poucos no país podem receber um tratamento como o que ele teve direito.

"Mas temos plena consciência que nosso SUS pode melhorar e muito e tudo faremos para que isso se torne uma realidade", disse.

Bolsonaro está internado desde o dia 27 de janeiro, quando passou por uma terceira cirurgia para retirada da bolsa de colostomia que usava desde o ataque. Esta semana, foi anunciado de que ele desenvolveu uma pneumonia, mas na sexta-feira o boletim médico já apontava uma melhora e o presidente passou a usar alimentação via oral pastosa, com a retirada da sonda que usava desde a operação. Ainda não há previsão de alta hospitalar.

Veja também:

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • comentários
publicidade