0

Damares defende que escolas discutam abstinência sexual e critica Popeye

Ministra disse que até cogita entrar em aplicativo de relacionamentos. "Eu até já tirei a foto para ir para o Tinder. Cortei cabelo."

31 mai 2019
17h12
atualizado às 17h30
  • separator
  • comentários

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, defende que a educação sexual nas escolas inclua a abstinência sexual.

Damares Alves defende ensinar os jovens a adiar início da vida sexual
Damares Alves defende ensinar os jovens a adiar início da vida sexual
Foto: Ag Brasil / BBC News Brasil

Para ela, ao adiar o momento da primeira da relação sexual, o jovem pode também evitar doenças como o HIV, por exemplo, e optar por um relacionamento com mais afeto.

Segundo a ministra, existe em curso no país uma "pressão social" para que as meninas afirmem ser bissexuais e que isso afeta a identidade e a saúde psicológica da criança, provocando até tentativas de suicídio. Ela disse também que filhos de homossexuais não podem ser discriminados.

Em entrevista à BBC News Brasil, durante sua visita a Buenos Aires para reuniões de trabalho, Damares disse que ela mesma forma uma família atípica por ser uma mãe divorciada, mas pretende casar e até cogita entrar em aplicativo de relacionamentos. "Eu até já tirei a foto para ir para o Tinder. Cortei cabelo."

Damares disse ter se tornado alvo no início do governo em meio a uma ofensiva para enfraquecer o presidente Jair Bolsonaro, e acabou tachada de "ministra maluca" a cada declaração.

Entre suas opiniões que mais viralizaram estão suas críticas à campanha feita por internautas para que a personagem Elza, do desenho animado Frozen, se torne lésbica na sequência. A ministra estende as críticas a diversas animações, como Pica-Pau e Popeye. "Tratavam a Olívia como objeto".

Veja abaixo trechos da entrevista concedida à BBC News Brasil.

BBC News Brasil - Tramita no Senado brasileiro uma Proposta de Emenda à Constituição (nº 29/2015) que prevê a proibição do aborto em casos hoje permitidos pela legislação, como no de fetos anencéfalos. Como a senhora avalia essa proposta? A legislação deveria ser modificada ou mantida como está?

Damares Alves - Eu defendo que não seja feita nenhuma alteração na lei, que ela fique exatamente como ela está. Existem grupos que querem modificá-la, tirando as crianças anencéfalas. Existem grupos que querem ampliá-la para crianças com microcefalia, na gestação até a 13ª semana, mas eu entendo que a legislação como está não deve ser mexida.

BBC News Brasil - O texto original dessa proposta não incluía o aborto nos casos de risco de morte para a mãe e gravidez decorrente de estupro, exceções que depois foram abertas pela relatora do texto, a senadora Selma Arruda (PSL-MT). A sra. concorda com essas exceções?

Alves - Havia uma dúvida de que a PEC sendo aprovada ela iria automaticamente revogar o Código Penal. Era essa a dúvida. Essa PEC sendo aprovada, o Código Penal cai? Então, eles trazem para o texto da PEC e ela não modificaria o Código Penal, a lei penal permanece como está. Por que esta PEC foi escrita? Eu participei da redação dessa PEC. Ouso falar que fui eu que redigi a PEC, com uma assessora.

Essa PEC veio porque nós precisamos ter um marco regulatório no Brasil em políticas públicas para o nascituro e para a grávida. É uma fase que precisa ser protegida ainda no Brasil. O nascituro não tem sido protegido no Brasil como deveria.

A PEC da Vida surge então para que seja pensada a política pública. Nós temos o Estatuto da Criança e do Adolescente, temos o Estatuto da Juventude, temos o Estatuto do Idoso, do Torcedor. Tem estatuto de tudo. Por que não ter um Estatuto do Nascituro?

BBC News Brasil - A sra. defende um estatuto desde o início da gestação?

Alves - Sim, porque a gente não tem um estatuto pré-estabelecido de como essa mulher tem que ser tratada no Brasil. Por exemplo, no ambiente de trabalho você vê grávida se levantando com aquela barrigona enorme pra pegar um copo de água. A gente queria campanhas de valorização da grávida. Que todo mundo engravidasse junto.

Às vezes, medidas tão pequenas, um porta-pé para a grávida colocar o pé durante o trabalho. A gente vê um descaso com a mulher neste período, que a gente considera sublime, extraordinário, pleno da mulher.

Essa PEC vem para proteger o bebê, mas também para instituir políticas públicas para a gravidez. Já tivemos bons programas no Brasil para a grávida, como o Rede Cegonha do governo (da ex-presidente) Dilma (Rousseff). Esse programa era incrível, mas não chegou a todas as grávidas do Brasil. Essa PEC vem para dar um mar, o nascituro tem vida, ali dentro tem uma vida.

Damares com Lulu: ela diz ter realizado uma 'adoção socioafetiva'
Damares com Lulu: ela diz ter realizado uma 'adoção socioafetiva'
Foto: Ag Brasil / BBC News Brasil

BBC News Brasil - De acordo com o 12º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública do ano passado, 60.018 estupros foram registrados no Brasil em 2017. Como vê o aborto em caso de estupro? E por que temos tantos casos, no Brasil, na sua opinião? Como combater esse problema?

Alves - Olha, o aborto no caso de estupro, na minha visão pessoal e não institucional, eu sou contra também. A mulher que foi estuprada, que engravidar, ela tem o direito legal de fazer o aborto e o Estado de garantir o aborto para ela, de acordo com a lei atual. A PEC não vai mudar isso. Mas, veja, nós temos que trabalhar é no combate ao estupro no Brasil. Nós temos que pegar o estuprador, punir. Eu defendo a pena máxima para o estuprador.

BBC News Brasil - Que pena?

Alves - Trinta anos, no mínimo. E o estuprador não tem que ter nenhuma progressão da pena, do regime. O estuprador para mim tem que ser pego e cumprir sua pena.

BBC News Brasil - Como a sra. avalia a castração química?

Alves - Se fala muito sobre isso e principalmente em relação ao abuso de criança, né. Não creio que resolva porque a crueldade não está em você ter um órgão, a crueldade não é só por prazer. Então, a castração química é questionável. Em alguns casos pode resolver, mas não resolveria em todos os casos.

Então, veja, a mulher está lá, ela foi estuprada, engravidou, e pela legislação ela pode abortar. Mas a gente tem que ter um trabalho muito sério no Brasil de prevenção ao estupro. Nós temos que acabar é com o estupro, não é com o bebê. A gente tem que ter programas para pôr estes caras na linha. E não abrir os nossos hospitais para matar bebês.

BBC News Brasil - Como seriam estes programas?

Alves - A pena para o estuprador prevê hoje que ele não fique mais de seis anos na cadeia. E a pena do bebê é a pena de morte, tá entendendo? Que culpa tem esse bebê desse pai ter sido tão cruel? A gente tem que pensar isso. É uma outra vida. Tenho aqui um estuprador e uma vida gerada. Claro que nunca vamos impor para esta mulher o ônus de criar este bebê. Mas nós temos casos no Brasil conhecidíssimos.

Por exemplo, a mulher que me antecedeu, a Fátima Pelaes, a secretária de Políticas para Mulheres, ela é fruto de um estupro. A mãe dela estava presa, nos anos 1950, e foi estuprada por três homens no presídio e gerou Fátima.

E a lei já garantia (o aborto) porque nosso Código Penal é de 1940 e previa que a mulher abortasse naquela situação. A mãe dela preferiu não abortar. É uma mulher aguerrida, que num tempo na vida era a favor do aborto, no início da sua carreira parlamentar era a favor do aborto, mas mudou, inclusive para abortos em caso de estupro.

BBC News Brasil - Mas existem outros casos de mulheres que não suportam a possibilidade de ter um bebê de um estuprador. Na Argentina há casos de mulheres que foram presas porque sofreram com a ideia de ser mãe de um bebê de um estupro. O que dizer a elas?

Alves - Essas mulheres, quando pediram o aborto, sabiam o que estavam fazendo. Elas precisam ser amparadas pelo Estado, elas precisam ser cuidadas porque não encerrou ali. O drama delas não acaba no aborto. O aborto não é solução. Elas vão continuar tendo a dor do estupro e a dor do aborto.

E vou te dizer uma coisa, no estupro, ela é vítima, e no aborto, ela é carrasca. Então, a mulher vítima do estupro sofre duas vezes. Essa mulher precisa ser acompanhada o tempo todo. Tanto a mulher que decide abortar como a que não decide abortar. Essas duas mulheres têm que ser amparadas pelo Estado.

Ministra defende criação de 'estatuto do nascituro'
Ministra defende criação de 'estatuto do nascituro'
Foto: Ag Brasil / BBC News Brasil

BBC News Brasil - E se ela não quiser ter esse bebê?

Alves - A que abortou, abortou. Aquela que não quer o bebê, ela tem programas de adoção no Brasil. Mas claro aquela que optou por não abortar, ela traz uma criança. E a gente não vê politica pública para essa mulher. A gente tem o aborto garantido para a que optou por abortar, mas não tem para a outra.

Às vezes, essa mulher que optou por não abortar perde o marido porque o marido quer que ela aborte o filho do bandido. A família quer que ela aborte o filho do bandido. Essa mulher, às vezes, toma uma decisão solitária e fica sozinha com essa decisão. Essa mulher existe e precisa do acompanhamento do Estado.

BBC News Brasil - De que maneira?

Alves - Com acompanhamento psicológico. Se ela quiser dar para adoção, o Estado ajudá-la na entrega para o Conselho Tutelar. Se ela quiser ficar com esse bebê, o Estado ajudá-la a ficar com ele. Essas duas mulheres existem. Mas vou dizer para você, eu não queria é que tivesse o estupro. Então, estamos trabalhando acima da tragédia e o ideal é a gente evitar a tragédia. É possível.

BBC News Brasil - Mas a sra. não acha que se a lei continuar como está continuarão existindo abortos para casos não previstos na lei? Na Argentina, por exemplo, um dos argumentos da campanha pró-legalização do aborto é que as pessoas que têm dinheiro vão ter sempre acesso a fazer o aborto em uma clínica com mais recursos. E a mais pobre, excluída, acabará indo para clinicas onde ela pode morrer. Ou seja, o aborto não deixará de existir, mas a clandestinidade coloca e colocará em risco a vida da mulher?

Alves - Vai continuar existindo, mas se a gente trabalhar em políticas de planejamento familiar, a gente pode evitar muitos abortos. Por que eu tenho que investir no aborto, que é um procedimento caro, doloroso e que põe fim a uma vida se eu posso trabalhar em outro procedimento mais barato que não traga dor e que pode garantir a vida desta mulher? A discussão está aí. Hoje, nós já temos meios anticonceptivos aí muito eficientes que poderiam ser pensado para ser usado em escala maior.

BBC News Brasil - Quais seriam?

Alves - Adesivos, que têm efeito muito grande. E trabalhar na gravidez precoce. A educação sexual bem preparada na escola. A gente tem como fazer um conjunto de ações. Então, por que pensar no aborto? Você sabe que tem gente que pensa o aborto como um método anticonceptivo. "Ah, se eu engravidar, eu vou lá e tiro". O aborto não pode ser método anticonceptivo. A gente não pode banalizar o aborto. O aborto não é a solução.

BBC News Brasil - Nesta semana, dentro da campanha Maio Laranja, a senhora disse no Twitter defender "a realização de uma educação sexual técnica, que respeite a maturidade e com enfoque na proteção da criança. Tem que demonstrar a ela onde não é permitido tocar e ensinar a pedir ajuda. Sem ideologias e sem incentivar a sexualização precoce". Como fazer isso? Pode dar exemplos?

Alves - Preparando nossos educadores. O que aconteceu com a educação sexual no Brasil é que abrimos para que qualquer pessoa falasse sobre o tema. O tema estava sendo abordado de uma forma transversal no Brasil. O professor de Matemática, quando visse a possibilidade, poderia abordar o tema com seu aluno. Um menino que sai da Faculdade de Matemática, ele só entende de exatas. E nós entendemos que a educação sexual tem que ser aplicada por um professor preparado, com material próprio, respeitando a especificidade de cada idade.

Eu posso falar de educação sexual para uma criança de quatro anos, mas para a de seis é totalmente diferente porque a maturidade é outra. A de oito, a de dez, é totalmente diferente. Mas o que aconteceu no Brasil, nós chegamos a pegar imagens de crianças de oito, nove anos no Brasil com pênis de borracha na mão, colocando camisinha e sem combinar com os pais. A família não foi ouvida. Então, houve no Brasil um exagero muito grande com a história da educação sexual..

Nós temos material belíssimo que está chegando para nós. Eu encontrei uma cartilha de uma psicóloga. Ela tem mestrado em Harvard e o marido, também. E os dois, inclusive, são pastores. Este material tem a cartilha da criança e a cartilha dos pais. Vem a educação para o pai sobre como fazer atividade com a criança. Por exemplo, tem uma página que é colagem. Então, está lá o desenho da criança. Então, "vamos colocar o algodão no lugarzinho íntimo. Tampa o peitinho. Algodãozinho num lugarzinho íntimo, tampo com algodãozinho".

Aí ensina o pai a como abordar aquilo com a criança. É um material extremamente bem preparado. "Vamos vestir a roupinha na menina". Então, nesse lugar ninguém pode tocar na menina. E eles trazem palavras que uso muito, "se alguém fizer carinho esquisito em você, conte para um adulto que você confia", porque às vezes quem está fazendo o carinho esquisito é o papai ou a mamãe.

Esse é um dos materiais que eu vi. Eu não sei que materiais o MEC vai usar e como será esta discussão no MEC. Com o ministro anterior estávamos conversando sobre a questão da educação sexual e a formação desse professor. Mas com o atual ministro ainda não avançamos com a pauta.

Damares se reuniu com parlamentares antiaborto na Argentina
Damares se reuniu com parlamentares antiaborto na Argentina
Foto: BBC News Brasil / BBC News Brasil

BBC News Brasil - Dados recentes mostram que os jovens usam menos camisinha do que no passado, aumentando o risco de infecções sexuais. A senhora acha que é papel da educação sexual ensinar sobre a camisinha? Se não, quem deve fazê-lo? Como diminuir a incidência dessas doenças?

Alves - Olha, o preservativo tem que ser usado. Eu nunca vou falar de liberação sexual para jovem porque eu tenho outra posição em relação a isso, mas se o jovem está tendo relação sexual, ele precisa se prevenir e ele precisa ser consciente e ele precisa ser orientado. Não tem como eu dizer 'não vai transar mais'. Eu gostaria que a abstinência fosse também um método a ser discutido em sala de aula. Eu gostaria muito de conversar sobre isso com os jovens.

BBC News Brasil - Sobre casar virgens?

Alves - Já existem programas assim no Brasil de, por exemplo, "decidi esperar". Existem alguns projetos no Brasil mais para retardar o início da relação sexual. Inclusive são citados estudos que falam que se eu retardo um ano o inicio da relação sexual dessa menina, eu posso salvar a vida dela. Porque nesse um ano ela pode ter se relacionado com alguém com HIV, por exemplo. É trabalhar a maturidade, é trabalhar o afeto.

Estamos vendo uma campanha muito grande do sexo pelo prazer, tão somente pelo prazer, mas voltar a falar do afeto, trazer o afeto para esse debate, acho que é o método mais eficiente para a não gravidez, não é a camisinha, não é o diu, não é o anticoncepcional, o método mais eficiente é a abstinência. Por que não falar sobre isso? Por que não falar de retardar o início da relação sexual? Eu defendo essa tese.

BBC News Brasil - E qual seria, então, na sua visão, a idade ideal para o início da relação sexual?

Alves - É tao difícil falar. O fato é que estamos vivendo uma erotização precoce, muito forte no Brasil. Há uma apelação, muito grande. Por exemplo, os bailes funks. A gente tem imagens de meninas de 13 anos que chegam a ficar com oito em uma única noite. É complicado.

Aí, ela vai ao baile funk, fica com oito e de manhã toma a pílula do dia seguinte. E aí essa pílula ainda é um remédio muito novo no mercado. Por que não pensarmos num novo momento, a menina se guardar. Ou o próprio menino, se preservar para o seu grande amor. Se a gente começar a trazer o afeto para este debate, para o início da relação sexual, eu acho que a gente pode avançar.

BBC News Brasil - Com alguma frequência, falas antigas da senhora viralizam na internet e se tornam notícia na mídia. Assim foi com sua declaração sobre a princesa do desenho Frozen, da Disney....

Alves - Frozen, Bob Esponja, mas não falaram do Pica-Pau, não falaram do Tio Patinhas, não falaram do Popeye. Eu sou educadora e como educadora eu sempre questionei o excesso da exposição das crianças ao desenho animado. Por exemplo, Tio Patinhas, 40 anos atrás, eu era muito jovem e eu já questionava o Tio Patinhas com aquele consumo exagerado, do dinheiro pelo dinheiro, pela riqueza, né.

Depois, teve uma época que eu fui estudar o Pica-Pau. Para mim, o Pica-Pau é um desenho, hoje, ele é bonzinho diante do que tem aí. Mas naquela época era um desenho agressivo, ele é um personagem violento. Ele é um personagem arrogante, é um personagem egoísta. Eu questionava a caracterização do Pica-Pau.

E depois o Popeye e a Olivia e o Brutus, e como eles lutavam por aquela mulher. Ela era esticada, ela era um objeto e eu questionei tudo aquilo naquela época.

Mas aí veio a Frozen no momento em que falo da ideologia de gênero. Pra mim, é o desenho mais lindo que assisti nos últimos tempos. Assisti 50 vezes, eu canto a música, eu choro. Aquela história é incrível. A princesinha conquistou o mundo e tem menininhas de dois ou três anos que amam Frozen. Eu amo Frozen. Eu sou uma velha que chora com desenho animado.

Só que aí nós vimos o movimento da ideologia de gênero, de que o segundo desenho viesse forçar que ela viesse gay, que ela viesse lésbica. A minha palestra era: "olha, se vocês não concordam com isso, cuidado, a Frozen poderá vir lésbica no próximo filme. Para vocês não serem pegos de surpresa no cinema", porque como é que você vai falar com seu filho, eu acho que é um assunto do pai, e ele tem o direito de decidir a hora de falar sobre isso com seu filho, e aí ele vai ter o seu direito usurpado numa tela e pego de surpresa.

Então, estou conversando com a família, é o meu segmento, que pensa como eu. E eu estou mostrando uma reportagem, que nós já temos um livro no Brasil que A Bela Adormecida é acordada por um beijo lésbico da Elza. Já tem uma obra no Brasil.

Então, o que fizeram, não viram o que eu estava mostrando. Eu estava mostrando que já tem uma obra no Brasil e que o filme poderá vir assim. Então, eu estou mostrando, mas recortam um vídeo de 45 segundos de uma fala de duas horas para dizer que eu sou maluca. Mas ainda bem que não fui só eu que disse que ela pode vir lésbica. A própria autora da personagem fala, e foram inúmeras reportagens. Todo mundo pode escrever sobre isso, mas a ministra maluca não pode falar.

Segundo Damaes, presidente Bolsonaro pede que "não criem programas de governo, não criem projetinhos, mas políticas públicas estruturantes"
Segundo Damaes, presidente Bolsonaro pede que "não criem programas de governo, não criem projetinhos, mas políticas públicas estruturantes"
Foto: Reuters / BBC News Brasil

BBC News Brasil - Por que a senhora fala isso de "ministra maluca"?

Alves - Porque é assim que a imprensa quer que eu passe, que eu passe a imagem de maluca.

BBC News Brasil - A sra. parece estar emocionada.

Alves - Não, não. Porque eu estou conseguindo fazer do limão uma limonada. Porque essa história da Frozen que tanto quiseram ridicularizar, os pais foram ler, pesquisar "por que que ela disse isso?". E os pais ficaram chocados, "puxa, não me falaram que isso poderia acontecer". Então, o que tem acontecido, tenho conseguido fazer de limão, limonadas.

Por exemplo, quando falaram sobre o meu abuso sexual, quando riram daquela minha experiência transcendental, espiritual, chame como você quiser. Toda criança tem um amigo imaginário. Nós temos uma apresentadora de TV no Brasil, famosa, chamada Xuxa, que ela viu um duende e ela deu uma declaração de que ela viu um duende e ninguém riu dela. Tem crianças que veem fadas, crianças que têm amigos imaginários, e eu não posso?

Meu amigo imaginário era Jesus. Por que eu não podia falar com ele? Se eu tivesse dito que falei com o Coelho da Páscoa, acho que eu teria menos críticas, mas as próprias pessoas que escreveram contra mim, pega seu filhinho e leva para ver Papai Noel e coloca ele para sentar no colo de Papai Noel que é um personagem que não existe. Ou seja, pode fada, pode Papai Noel, pode Duende, e não pode Jesus.

O que vejo ali naquela situação: riram, riram, mas por que será que ela estava chorando no pé de goiaba? Por que eu estava chorando no pé de goiaba?

BBC News Brasil - Que é a questão do seu estupro, que a sra. disse?

Alves - Sim, por que essa menina queria se matar com dez anos? Fui só eu? Não. Aí eu fiz uma discussão com o Brasil, as crianças estão se suicidando. Então, pego essa história, pego isso, da forma como usaram e trouxe esse debate. Vocês acham que só fui eu, com dez anos, que tentou se matar e queria morrer? Sabe quantas crianças estão querendo se matar no Brasil? Você sabia que temos no SUS registro de crianças de seis anos que se suicidaram? Vamos discutir isso agora no Brasil?

BBC News Brasil - Essa situação sempre passa pela questão sexual?

Alves - Os motivos de suicídio de crianças no Brasil são os mais variados. Bullying, ausência paterna, dores na alma, depressão, dúvida na identidade sexual, abuso sexual. Crianças com seis anos querendo morrer. O que aconteceu? Isso tudo que fazem com esta ministra, eu acabo transformando isso num grande debate. E tem sido bom. No começo, eu me assustei muito. Mas se é essa formula que está aí, vamos aproveitar...

BBC News Brasil - Mas a sra. não acha que hoje o tema sexualidade é mais debatido? Antes, só para citar uma declaração, o ex-presidente do Uruguai, José Mujica, diz que a homossexualidade sempre existiu e que o positivo agora é que se está falando sobre como incluir os homossexuais...

Alves - Por outro lado, nós temos estudos científicos dizendo que crianças estão se autodeclarando transgênero, sem ser, por pressão.

BBC News Brasil - Pressão de quem?

Alves - Pressão social. Hoje é moda a menina de 12 anos dizer que ela é bissexual. Hoje, existe uma pressão no grupo que a menina tem que assumir que ela é bissexual. E às vezes essa menina não é. E essa menina tem conflito depois. Temos muitos estudos científicos e até te recomendo, de que a pressão social de a pessoa se declarar bissexual cada vez mais cedo. Pergunte numa sala no Brasil quantas coleguinhas conhecem outras que são bissexuais? Elas vão dizer: quase todas.

Mulheres protestam em 2018 em frente ao STF vestidas como personagens da série The Handmaid's Tale, sobre uma sociedade que oprime as mulheres
Mulheres protestam em 2018 em frente ao STF vestidas como personagens da série The Handmaid's Tale, sobre uma sociedade que oprime as mulheres
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil / BBC News Brasil

BBC News Brasil - Circularam recentemente boatos de que a sra. poderia deixar o cargo.

Alves - Não. Numa conversa com um jornalista, ele perguntou 'a senhora vai ficar até quando'? Eu fui convidada para construir um grande ministério e eu estou fazendo isso. A minha missão é entregar para a nação brasileira um grande ministério porque ele ficou lindo. São oito secretarias nacionais, diversas, com assuntos profundos e extraordinários.

Além dessas secretarias, eu tinha a Funai que perdi essa semana e eu tenho a Comissão de Anistia. Então, o que o presidente quer? Vamos entregar para o Brasil um grande ministério da família. Depois que este ministério estiver edificado, caminhando, as politicas públicas sendo aplicadas, aí eu tenho o direito de pensar se quero ficar ou não.

BBC News Brasil - Ou seja, poderia ser até o fim do mandato?

Alves - Mas é uma decisão minha. Eu vou ter tanto saco para aguentar tanto deboche? Eu vou ter tanta estrutura? Ou eu vou cuidar da minha vida? Porque eu estava me aposentando, né. Então, eu interrompo a aposentadoria para edificar este ministério. Eu disse ao jornalista "quando isso aqui tiver caminhando e eu tiver saúde eu vou decidir se eu fico ou não", mas aí ele fez a interpretação que quis. Mas, olha, pelo andar da carruagem, acho que fico mais cem anos. Porque está dando tão certo...

BBC News Brasil - Existem famílias não só no Brasil, mas em vários países da América Latina e outras regiões, de dois homens ou de duas mulheres. A sra. entende como família somente um homem casado com uma mulher?

Alves - Pela Constituição não é família ainda, né.

BBC News Brasil - Mas o que a sra. acha?

Alves - Eu, por exemplo, sou uma família atípica. Eu sou uma mulher solteira. Solteira não, divorciada, abandonada, querendo casar. Eu até já tirei a foto para ir para o Tinder. Cortei cabelo. Eu ia para o Tinder de ministro, mas aí vi que só sobra um (risos). E eu acho que ele é divorciado. Aí eu ia para o Tinder de milionário, não pode. Tem que ter no mínimo US$ 200 milhões de dólares no fundo.

BBC News Brasil - É sério que a sra. vai para o Tinder?

Alves - É sério que quero casar, mas para o Tinder não sei (risos). Sou uma mulher divorciada, mãe de uma índia. Sou uma família atípica. Mas eu e Lulu somos uma família. E ninguém tira isso da gente. E nossos laços precisam ser fortalecidos e o Estado precisa proteger esta minha relação com ela.

Quando eu falo de fortalecimento de laços afetivos, de laços familiares, nós estamos falando de todas as famílias. Estas famílias existem e elas precisam ser protegidas. As crianças naquele seio da família têm que ser protegidas. As políticas publicas têm que chegar lá.

BBC News Brasil - Em que sentido a sra. diz proteger estas crianças?

Alves - Estas crianças não podem ser discriminadas por terem dois pais. Estas crianças não podem apanhar nas ruas por ter duas mães. Estas crianças não podem estar em depressão porque não aceitam que tenham duas mães. Elas têm que ser acompanhadas, têm que ser vistas como crianças normais.

Manifestantes protestam em 2018 contra o aborto enquanto STF e Congresso vão para lados opostos no debate sobre o tema
Manifestantes protestam em 2018 contra o aborto enquanto STF e Congresso vão para lados opostos no debate sobre o tema
Foto: Agência Brasil / BBC News Brasil

BBC News Brasil - O Brasil é um país de maioria católica, mas agora a parcela de evangélicos cresceu bastante. E o mesmo ocorre em outros países da América Latina. Na sua opinião, por que esta ocorrendo esta mudança?

Alves - Porque a igreja evangélica é mais pró-ativa. Nós temos mais programas de proteção da família, mais programas com a infância, mais programas com a juventude. A igreja se modernizou, ficou mais ativa e nós temos um número maior de sacerdotes.

Acho que o crescimento da igreja evangélica surge a partir do grande numero de sacerdotes. Por exemplo, nós temos um padre para celebrar uma missa para 600 pessoas. Nós temos igrejas evangélicas que às vezes têm um pastor para cinco famílias. E temos pastor de jovens, de idosos, de mulheres. Acho que se a Igreja Católica tivesse mais sacerdotes, ali o tempo todo, seria muito mais organizada que a gente, porque ela é muito mais organizada que o seguimento evangélico.

BBC News Brasil - Uma outra das polêmicas foi quando a senhora disse que meninas vestem rosa e meninos vestem azul...

Alves - Sim, e continuo dizendo. Que meninas vestem rosa e meninos vestem azul. Mas veste também verde, amarelo ou o que quiser. Mas o que estava acontecendo no Brasil? Já estava havendo um policiamento contra a menina ser princesa e o menino ser príncipe. Numa das lojas mais chiques de Brasília, de roupas infantis, um dia entrou uma mulher e disse: 'quero uma roupa para uma criança de dois anos.' E a vendedora fez a pergunta óbvia: 'menino ou menina?'. A mulher quis derrubar a loja: 'como você faz uma pergunta dessa? Eu quero uma roupa para uma criança de dois anos. É criança, não decidiu ainda se é menino ou menina'. Ou seja, era esse nível de briga no Brasil.

Se tinha um patrulhamento ideológico. Por exemplo, a ideia era não ter mais nas escolas brinquedos de meninos e de meninas. Ter brinquedo neutro. Já se falava sobre a neutralidade da roupa. Já vinha um patrulhamento, um doutrinamento sobre isso. Então, o que eu estava dizendo é: menina pode vestir rosa e menino pode vestir azul. Menina pode ser princesa, menino pode ser príncipe. Havia até uma discussão para não chamar a menina de princesa para não confundir sua identidade. Agora, você imagina, a menina cristã é filha de rei. Filha de rei é princesa. Uau. Então, por que não posso chamar minha filha de princesa?

O que estava acontecendo era um patrulhamento. O governo vem para frear este patrulhamento. Deixa a família escolher. Se quer chamar de princesa, se quer que a menina vista rosa. É só isso que a gente quer. Que os pais tenham o direito de decidir sobre os seus filhos. Um não patrulhamento.

BBC News Brasil - A sra. acha que entenderam o contrário do que a senhora disse ou...

Alves - Não, não. É que tudo o que eu falo tem que ter polêmica. Porque naquele primeiro momento um ministro de Bolsonaro tinha que cair, porque um ministro caindo enfraquece o governo. "Vamos pegar a doida". Só que pegaram a pessoa errada. O povo que elegeu Bolsonaro pensa como eu. Então, pegaram a pessoa errada e acho que fico mais cem anos.

BBC News Brasil - A sra. gostaria de comentar algo que não foi perguntado?

Alves - Se você puder escrever sobre a automutilação. Falar sobre a nossa preocupação com as crianças que estão em profundo sofrimento. Se os pais observarem que estas crianças estão se automutilando. Ou um adulto observar, não critique, não recrimine, não puna, abrace, acolha, acolha. Essas crianças não estão brincando de se cortar. Vamos ter que entender que é um fenômeno que acontece. Vamos ter que aprender a lidar com isso juntos.

Nós não temos todas as respostas. Os pais não têm todas as respostas. Nem os próprios psicólogos. Vamos ter que dar as mãos. Nós vamos ter que esquecer as nossas diferenças ideológicas partidárias, religiosas, politicas. Nós vamos ter que fazer um pacto pelas crianças.

BBC News Brasil - Existem números oficiais no país sobre automutilações?

Alves - Existem estimativas. Os especialistas apontam que 20% dos jovens e adolescentes estão se automutilando. E nós aprovamos uma lei inovadora no Brasil e que outros países já começaram a ligar que querem replicar. No Brasil, só era notificado compulsoriamente o suicídio. A tentativa de suicídio não era notificada e nem a automutilação. Agora a lei vem obrigando que o suicídio seja notificado, a tentativa e a automutilação.

Já foi aprovada e estamos regulamentando agora. É uma lei inovadora. E não é mais só o serviço de saúde que vai notificar a tentativa de suicídio e a automutilação. A escola também vai ter que notificar. Pela primeira vez a gente traz a escola. A escola vai ser dedo-duro? Não. Mas nós precisamos ter números. Não se pode criar políticas publicas a partir de achismos. Nós precisamos ter estes números na mão. Vem a escola aí para nos dar elementos. Com todo cuidado, foi prioridade dos cem dias do governo de Bolsonaro. A campanha de prevenção e a aprovação da lei.

BBC News Brasil - Mas com cuidado e sem revelar os nomes das crianças...

Alves - Sim, claro. Com todo cuidado e vai ser notificado ao conselho tutelar e o conselho tutelar notifica as autoridades de saúde. Nós vamos ter muito trabalho. Nós vamos ter que treinar todos os nossos conselheiros tutelares. Já vamos promover também cursos de capacitação para professores à distância.

BBC News Brasil - Também em função das questões automutilação e tentativa de suicídio?

Alves - Tudo. Porque a tentativa de suicídio, às vezes, não deixa marca. Esse ato, a tentativa, tem que ser notificada. Setenta e cinco por cento dos professores no Brasil saem da rede privada. E fechamos um convênio com a associação nacional das faculdades privadas onde essas universidades vão já agora, na formação do professor, prepará-los para lidar com suicídio e automutilação. E a partir do ano que vem já irão professores novos formados em educação emocional. Isso é um feito inédito.

Também vamos buscar as universidades públicas que também prepara o educador. Lembrando que é só o aluno de Pedagogia, a gente quer trabalhar o aluno de Licenciatura, Matemáticas, de Língua... O público que vai trabalhar com o adolescente na escola. É uma política pública que talvez não vai ver o resultado agora. Nós estamos trabalhando sem pressa.

É isso que esse presidente vem, com essa forma inteligente, o presidente Bolsonaro é um presidente extraordinário que nós temos. Ele diz o seguinte: "Não criem programas de governo. Não criem projetinhos. Mas políticas públicas estruturantes". Esta política pública que estou te apresentando agora, talvez eu não veja o resultado. Ela vai ser para a próxima geração. Serão as próximas gerações que vão sentir os efeitos do que estamos fazendo agora. A gente não tem pressa.

O importante são os programas que estamos construindo, as politicas públicas. O presidente quer que sejam políticas públicas permanentes e estruturantes. Essa é a inovação do governo Bolsonaro. Primeiro, a transversalidade dos temas e a políticas permanentes e estruturantes. Esse é um legado que queremos deixar.

 

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • comentários
publicidade