PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Polícia

Laudo define intervalo em que ocorreu e causa da morte de idoso levado a banco por sobrinha

Paulo Roberto Braga foi levado por uma suposta sobrinha que queria assinar a autorização para um empréstimo de R$ 17 mil

17 abr 2024 - 19h37
(atualizado em 18/4/2024 às 15h52)
Compartilhar
Exibir comentários
Cadáver em banco: o que já se sabe sobre o caso no Rio de Janeiro
Cadáver em banco: o que já se sabe sobre o caso no Rio de Janeiro
Foto: Reprodução

Paulo Roberto Braga, de 68 anos, morreu por volta das 11h30 e 14h30 da terça-feira, 16, por broncoaspiração do conteúdo estomacal e falência cardíaca. A informação consta no laudo do exame de necropsia que foi produzido pelo Instituto Médico Legal (IML) e foi divulgada pelo jornal O Globo.

O idoso foi levado por uma suposta sobrinha, identificada como Érika de Souza Vieira Nunes, de 42 anos, para assinar o saque de um empréstimo de R$ 17 mil. Sem reação enquanto a sobrinha segurava sua cabeça e conversava com ele, há a suspeita de que o idoso tenha sido levado já sem vida para a agência bancária.

O perito que assinou o laudo do IML, porém, considerou que não foi possível concluir se Paulo Roberto Braga morreu no trajeto, no interior da agência ou se foi levado já cadáver ao local. Segundo o documento, "não há elementos seguros para afirmar, do ponto de vista técnico e científico".

O laudo também mostra que o idoso já estava "previamente doente, com necessidades de cuidados especiais". A informação está alinhada com o que foi dito por Érika à polícia, que afirmou ser cuidadora do idoso e sobrinha ou prima de consideração de Paulo Roberto.

Ainda não foi divulgado o resultado do exame toxicológico, que poderá indicar se houve ou não envenenamento.

Morto em banco: novas imagens mostram idoso inerte ao chegar em agência no RJ:

Relembre o caso

Érika de Souza foi presa em flagrante após levar o cadáver de um idoso em uma cadeira de rodas a uma agência bancária e tentar sacar um empréstimo de R$ 17 mil no nome dele. O caso aconteceu nesta terça-feira, 16, em Bangu, na zona oeste do Rio.  A sua defesa alega, no entanto, que Paulo Roberto teria morrido dentro da agência.

Em um vídeo gravado por uma funcionária do banco, é possível ver Érika de Souza Vieira Nunes segurando a cabeça de Paulo, que pendia para trás. Ela também tenta fazê-lo segurar uma caneta. Quem aponta que o idoso não estava bem é a atendente do estabelecimento. Pouco depois, a polícia foi acionada.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) esteve no local e constatou o óbito. A polícia foi acionada após funcionários da unidade estranharam a atitude da mulher.

Apesar da alegação da defesa da suspeita, um dos socorristas do Samu afirmou que o idoso estava morto havia pelos menos duas horas. Conforme o depoimento, o tempo que o idoso estava sem vida foi constatado devido os livores – manchas arroxeadas que correspondem às zonas de falta ou acúmulo de sangue – que seu corpo apresentava. Essas características costumam aparecer após esse período em que a pessoa já está morta. 

Além disso, uma das funcionárias do banco também relatou às autoridades que achou o idoso muito debilitado, em um primeiro momento, mas, ao se aproximar, orientou que a assinatura fosse feita por ele igual à da carteira de identidade. Ela percebeu que ele estava pálido e sem sinais vitais quando ele não respondeu no momento em que deveria assinar o documento para liberar o empréstimo. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade