2 eventos ao vivo

Governador de SC decreta emergência após explosão e fumaça tóxica

São Francisco do Sul está em emergência por causa de incêndio em depósito de fertilizantes

25 set 2013
18h59
atualizado em 26/9/2013 às 14h12
  • separator
  • comentários

O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (DEM), decretou, na tarde desta quarta-feira, situação de emergência em São Francisco do Sul por causa de um incêndio em um depósito de fertilizantes a base de nitrato de amônia. A orientação da Defesa Civil é para que as pessoas se mantenham distantes da área no raio de um quilômetro, pelo menos.

O comandante do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, coronel Marcos Oliveira, alerta que a saúde pode ser comprometida em caso de inalação direta e em grande quantidade
O comandante do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, coronel Marcos Oliveira, alerta que a saúde pode ser comprometida em caso de inalação direta e em grande quantidade
Foto: James Tavares / Divulgação

"É importante que se cumpra e se siga a orientação da Defesa Civil. Nós temos os melhores especialistas, essas coisas têm que ser faladas pelos especialistas para levar com segurança e conhecimento técnico e cientifico a orientação da conduta de todos nós", frisou o governador.

“O nitrato de amônia, por si só, é considerado estável. Caso aquecido, pode tornar-se explosivo. Por isso, decidimos resfriar a área e orientar a população para manter distância do local do acidente”, explicou o bombeiro Geovane Matiuzzi.

Segundo ele, os efeitos do gás que se forma com a combustão do nitrato de amônia podem ser comparados aos do gás lacrimogênio. "Por conta disso, não é considerado letal quando inalado", ressaltou.

O comandante do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina, coronel Marcos Oliveira, alerta que a saúde pode ser comprometida em caso de inalação direta e em grande quantidade. "O risco é quando há inalação direta. Para evitar contaminação, as pessoas foram retiradas logo no início do sinistro, num raio de 800 metros", disse ele.

Máscaras de proteção
A Marinha distribuiu máscaras para a população ainda durante a madrugada, de forma preventiva, e o comando do 62º Batalhão de Infantaria da cidade de Joinville organizou uma equipe para atuar em São Francisco do Sul e prestar auxílio ao Corpo de Bombeiros. Ao todo, militares e voluntários de nove cidades trabalho no combate às chamas provocadas pela explosão.

O acidente fez com que milhares de pessoas deixassem a cidade. De acordo com a Defesa Civil local, mais de 100 pessoas procuraram atendimento médico. O vento está lançado a fumaça, composta de amônia e nitrato de potássio, para o mar. Mas, de acordo com a meteorologia, existe a possibilidade de o vento mudar de direção e lançar a fumaça tóxica para o litoral do Paraná nas próximas horas.

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade