PUBLICIDADE

Ciclone causa mortes no Brasil e no Uruguai

Em consequência deste fenômeno, por precaução, vários municípios gaúchos suspendem as aulas nas escolas e universidades

17 mai 2022 20h56
| atualizado às 23h35
ver comentários
Publicidade

A terça-feira, 17, foi conturbada nos municípios do Rio Grande do Sul, em especial nas cidades da região Leste do estado com a chegada do ciclone subtropical Yakecan, prevista pelos meteorologistas com antecipação. Em consequência deste fenômeno, por precaução, vários municípios gaúchos tiveram que suspender as aulas nas escolas e universidades entre terça e quarta-feira, 18.

Em Porto Alegre, ainda na noite de segunda-feira, 16, um pequeno barco com três pescadores naufragou no lago Guaíba causando a morte de uma pessoa. O corpo da vítima, identificado como Ademar Silveira da Silva, de 51 anos, foi encontrado pelos bombeiros na manhã desta terça-feira, 17, na zona sul da capital. Os outros dois tripulantes conseguiram se salvar.

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (InMet), a tempestade deve provocar ventos de mais de 100 km/h até o decorrer da noite desta quarta-feira, 18, quando começa a perder força. O fenômeno foi classificado como alerta vermelho, o mais grave do sistema de avisos do órgão. O Uruguai, país que faz fronteira com o Brasil no Rio Grande do Sul, também foi fortemente afetado pelo ciclone. Pelo menos uma pessoa morreu no país devido ao ciclone. A capital Montevidéu e a cidade de Punta del Este estão entre as mais afetadas.

Em Santa Catarina, a Defesa Civil emitiu alerta nesta terça-feira, 17. A população deve procurar locais bem abrigados, longe de janelas, vidros e evitar deslocamentos durante o período, devido ao risco de queda de árvores e postes. Em todo litoral, há previsão de mar grosso e agitado, com risco de ressaca, alagamentos e formação de ondas de até cinco metros na região da Grande Florianópolis até o sul do estado. Não são recomendadas atividades esportivas e a navegação de embarcações de pequeno porte.

Em Porto Alegre, na manhã e tarde desta terça-feira, 17, houve o registro de quedas de árvores em algumas ruas e avenidas, inclusive bloqueios parciais no trânsito devido aos incidentes provocados pela ventania. Segundo a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), em um boletim divulgado no final da tarde desta terça-feira, aponta que foram registradas ocorrências de seis árvores caídas sobre as vias e quatro semáforos fora de operação, no entanto não há significantes alagamentos que prejudiquem o fluxo de trânsito na capital até o presente momento.

As empresas responsáveis pelo abastecimento de energia elétrica e água no Rio Grande do Sul, diante a situação de alerta, anunciaram reforço no atendimento à população nesta terça-feira.

No município de Rio Grande, no extremo Sul do Estado, os ventos chegaram a 95 km/h nas praias do Cassino e na Barra. Toda a costa litorânea do Rio Grande do Sul está sob alerta e a Marinha do Brasil orienta as embarcações para que não naveguem, em razão do mau tempo e grandes ondulações que podem ultrapassar os 4 metros.

Neve no RS

Depois de Santa Catarina registrar os primeiros flocos de neve na manhã desta terça-feira, agora foi a vez nevar em São José dos Ausentes e Cambará do Sul, na região dos Campos de Cima da Serra. Os primeiros flocos caíram no final da tarde desta terça-feira e as temperaturas nas duas cidades oscilam neste momento entre 0ºC e 2ºC. Em São Francisco de Paula e Canela houve registro de chuva congelada nesta terça-feira.

Estadão
Publicidade
Publicidade