0

Cervejaria de MG fechada pelo governo contesta laudo policial

É investigada se contaminação causou doença misteriosa; homem morreu e há outros nove internados com sintomas de dano neurológico e renal

11 jan 2020
18h31
atualizado às 19h26
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A cervejaria Backer contestou neste sábado, 11, o laudo da Polícia Civil de Minas que apontou a presença da substância dietilenoglicol em garrafas da cerveja Belorizontina, produzida pela marca, e que pode ter sido a causa de uma morte e nove internações em hospitais de Belo Horizonte e da região metropolitana. Segundo o departamento jurídico da empresa, até o momento, não há prova de contaminação do produto.

Peritos da Polícia Civil compareceram nesta quinta-feira (9) na sede da cervejaria Backer, no Bairro Olhos D'Água, em Belo Horizonte.
Peritos da Polícia Civil compareceram nesta quinta-feira (9) na sede da cervejaria Backer, no Bairro Olhos D'Água, em Belo Horizonte.
Foto: Uarlen Valério / O Tempo / Estadão Conteúdo

Laudo da polícia divulgado na quinta apontou a presença do composto químico dietilenoglicol em garrafas da Belorizontina que teriam sido consumidas pelas vítimas. No caso de fábricas de cerveja, a substância pode ser utilizada no resfriamento de tanques ou serpentinas.

A Backer afirma que não usa o produto em sua linha de produção. Exames de laboratório já comprovaram a presença do dietilenoglicol no organismo de três pessoas que foram hospitalizadas. O laudo foi feito com base em garrafas da cerveja recolhidas na casa de possíveis vítimas.

"É importante destacar que não existe laudo pericial conclusivo sobre a presença do dietilenoglicol nas amostras analisadas pela Polícia Civil. Foi elaborada apenas uma análise preliminar. Isso significa que, até o presente momento, não existe prova de contaminação. Tanto é que tal análise não nos foi encaminhada formalmente", afirma o advogado da Backer, Estevão Nejm.

Ministério determinou interdição e apreensão de produtos

Sob alegação de "risco iminente à saúde pública", o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento fechou na sexta-feira, 10, a fábrica da Backer no bairro Olhos D'Água, região oeste de BH. A pasta informou que a medida foi tomada de forma "cautelar" e que "foram determinadas ações de fiscalização para a apreensão dos produtos que ainda se encontram no mercado".

Em nota divulgada neste sábado, 11, a Backer disse que, pelo caráter cautelar da medida, "a empresa não foi responsabilizada administrativamente ou penalizada judicialmente, tratando-se de uma medida meramente preventiva". A fábrica disse ainda "que segue colaborando e aguardando os resultados das investigações", e que "conforme anunciado, vai realizar uma vistoria completa em seus processos de produção, visando o esclarecimento a toda a sociedade".

A reportagem entrou em contato com a Polícia Civil e não teve retorno até as 18 horas.

Veja também:

Previsão Brasil - Risco de chuva aumenta

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade